OS FILMES ESTÃO LIBERADOS PARA SEREM ASSISTIDOS NO VK.COM - mas vc terá que se cadastrar na rede social russa - DIVIRTA-SE...

terça-feira, 23 de julho de 2013

Capital financeiro e imperialismo ianque escolhem seu candidato para bater o PT: Marina Silva!

"LÁGRIMAS DE CROCODILOS & ABRAÇO DE URSO" Marina imperialista da Silva e Marco homofóbico Feliciano

Por Liga Bolchevique Internacionalista



Em um período de decantação política dos protestos multitudinais que varreram o país, parece mesmo que as forças da reação interna já iniciaram seu processo de reacomodação eleitoral com as atenções voltadas para 2014.

É o que vem revelando o resultado das últimas pesquisas de opinião pública, em particular a divulgada pelo IBOPE no ultimo dia 18/07, que coloca no patamar de empate técnico para o segundo turno as candidaturas de Dilma Rousseff e Marina Silva.

 Pela primeira vez em pesquisas eleitorais a presidente Dilma vê ameaçada a sua condição de renovar tranquilamente por mais quatro anos o posto de “gerente geral” de negócios do regime capitalista.

Com o impacto das mobilizações populares ocorridas em junho se desfizeram as aspirações presidenciais das alternativas políticas mais tradicionais da burguesia financeira e do imperialismo para derrotar o PT em 2014, de uma só tacada foram praticamente descartadas  como “viáveis” as candidaturas de Serra, Eduardo Campos e do novo líder Tucano Aécio Neves.

Também não conseguiu “decolar” a campanha orquestrada pelo PIG do “Fora Dilma”, apesar do grande esforço da malta ultrarreacionária do “Face” e que desgraçadamente contou com o apoio da esquerda revisionista.

 Apesar do intenso desgaste de gerenciar o aparelho de Estado capitalista, incapaz de atender as necessidades mais elementares da população, a Frente Popular ainda conta com um sólido apoio social no movimento de massas, somada à política do governo de fomentar crédito para uma parcela significativa dos trabalhadores.

Neste cenário complexo e difuso a aposta política dos rentistas, “sequestradores” de fato das finanças públicas do Estado burguês, vai na direção da eco-imperialista Marina Silva.

A ex-senadora é a única candidatura ao Planalto que reúne neste momento condições mínimas de levar a disputa para um segundo turno, fazendo ascender a esperança da reação tupiniquim de colocar o Brasil novamente na rota de um pleno alinhamento econômico com o grande amo do norte.


A mitificação em torno da figura de Marina Silva vem sendo construída pela mídia burguesa ao longo de sua passagem pelo PT, primeiro foi falsamente apresentada como a “herdeira” de Chico Mendes, depois ao assumir o Ministério do Meio Ambiente estabeleceu vínculos com as ONGs norte-americanas diretamente interessadas no controle de nossas reservas naturais.

Ao sair do PT Marina sinalizou ao imperialismo que já estava preparada para iniciar a construção de uma nova alternativa de poder no país, sob o manto da defesa da ecologia e de um crescimento capitalista “sustentável”.

Quando se lançou à presidência da República em 2010 pelo PV, muitos analistas políticos de esquerda afirmaram que se tratava de uma mera jogada eleitoral dos Tucanos para subtrair votos do PT, mas na verdade tirou votos de Serra e quase foi para a disputa do segundo turno com Dilma.

Nós da LBI caracterizamos o “fenômeno” Marina, antes mesmo da abertura das urnas em outubro de 2010, como a gestação de polo neoliberal ainda mais alinhado com o imperialismo ianque do que os privatistas do PSDB.

Às vésperas do primeiro turno já afirmávamos o seguinte: “Na realidade, a movimentação midiática em torno do fortalecimento do PV é pensada pela burguesia para muito além das eleições presidenciais, tendo por objetivo formatar uma nova oposição ao governo da frente popular mais adequada à atual realidade de estabilidade do regime político e de um implícito pacto social em plena vigência.” (JLO nº 201 10/2010).

Ao romper com o PV que lhe deu abrigo em 2010, Marina pensou “grande” ao demonstrar que seu projeto político deveria ser “puro” e homogêneo, livre das influências oligárquicas regionais voltadas a um fisiologismo que não agrada aos grandes investidores internacionais.


O lançamento do REDE, seu novo partido, contou desde o início com forte apoio financeiro dos banqueiros, em particular com a família Setúbal dona do ITAÚ.

 Rapidamente Marina galvanizou para o REDE recursos da burguesia bem mais “consistentes” do que reuniu em 2010, quando teve o apoio da empresa NATURA através do seu vice Guilherme Leal, agora tem à sua disposição o jato particular mais moderno do pais, custando para a “humilde” ex-seringueira a bagatela de 60 milhões de Reais. O REDE já montou sua equipe econômica com “notáveis” ex-tucanos como André Lara Resende e Giannetti, operadores da privataria no governo FHC e defensores da abertura total de mercado aos EUA.


Marina agora defende a autonomia do BC e o corte de verbas sociais para o pagamento dos juros da dívida interna (aumento do superávit primário), além do desmonte da PETROBRAS para beneficiar as transnacionais de energia e gás do “Tio Sam”, qualquer semelhança com o programa da Casa Branca para o Brasil não é uma mera coincidência...


Mas grande debilidade do REDE se concentra na impossibilidade de estabelecer um largo arco de alianças partidárias para 2014, com o fracasso do MD Marina só deve contar com o apoio formal do PSOL (a ex-senadora Heloisa Helena é a “ponte”) e seus parceiros de “esquerda”.


Para compensar esta fragilidade eleitoral a burguesia tenta convencer a todo custo que o presidente do STF, Joaquim Barbosa, criatura do PIG exatamente para este fim, integre como vice a chapa de Marina. O REDE já conta com a simpatia da maioria da classe média urbana, extremamente reacionária, e na possível composição com o “herói” JB seria um adversário muito forte para as pretensões de um segundo mandato para Dilma.


Para a ex-militante do ateu PRC, que transformou-se em evangélica para agradar a “cultura” protestante norte-americana, ter o vestal e moralista JB ao seu lado no Planalto seria o principal “sonho de consumo” da ofensiva imperialista no Brasil.


O PT sabe do risco que hoje oferece Marina, principal beneficiada eleitoralmente com as jornadas de protestos, mas está vergonhosamente “amarrado” com a “caneta” do Planalto.


Lula conseguiria bater facilmente Marina ou Aécio sem precisar sequer de um segundo turno, mas não pode se confrontar com Dilma sob a ameaça do processo ainda em curso do chamado “Mensalão”.


A anturragem Dilmista conseguiu inclusive excluir da chapa do próximo diretório nacional, nomes de petistas históricos como o de José Dirceu, foi sem duvida alguma uma demonstração de força e um aviso para o movimento “volta Lula”.


 Mesmo sob o risco da derrota diante da candidatura ascendente de Marina, o PT seguirá inexoravelmente com Dilma e na tentativa inútil de agradar o “mercado” o governo da Frente Popular aprofundará ainda mais seu curso neoliberal, promovendo ataques as conquistas da classe operária.