OS FILMES ESTÃO LIBERADOS PARA SEREM ASSISTIDOS NO VK.COM - mas vc terá que se cadastrar na rede social russa - DIVIRTA-SE...

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Editor gráfico do Jornal O Libertador é sequestrado e torturado pelos meliantes fascistas e golpistas títeres de Honduras



Secuestran y torturan a editor del periódico El Libertador











Ao sair para cobrir o fechamento e militarização da Radio Globo e do Canal 36 por ordens do governo fantoche e espúrio, o editor do periódico “Libertador”, Delmer Membreño foi seqüestrado e torturado por quatro homens encapuzados.

A ação criminosa aconteceu nas imediações da rua que conduz ao Bairro La Hoya em pleno centro da cidade, quando de dentro de um veículo pick-up cor vermelha desceram dois indivíduos vestidos de civil “encapuzados” e prenderam o repórter gráfico e editor do diário.

Delmer contou á defensoresenlinea.com, que hoje segunda bem cedo pela manhã chegou ao jornal e se preparou para a cobertura diária relacionada ao fechamento e militarização da Radio Globo e Canal 36.

“Sai do Jornal as 09:00 da manhã , fui pegar um taxi deixando a Radio Globo e indo pela rua perto de La Hoya, e apareceu um pick-up de cabine dupla e desceram dois indivíduos vestido com bala clava civil e com armas, com as pistolas nas mãos me obrigaram a subir na parte de tras da cabine disse nas suas primeiras declarações.

Membreño comentou que logo me agarraram e me encapuzaram, e até este momento não sabia aonde me levavam, andamos mais de uma hora e senti que o carro diminuiu a velocidade e entramos numa rua de terra, o carro parou e um deles falou para o outro me tiraram a bala clava porque queriam ver os meus olhos quando me matassem.

Me colocaram a arma no meu peito e um deles disse não, que não faria, que é melhor esperarmos, que melhor seria avisar o diretor do jornal El Libertador, que irá acontecer com uma sorte pior, declarou o editor gráfico.

“Os policiais me queimaram com cigarros”


Durante os minutos seguintes, Delmer foi vítima de pancadas, chutes, me colocaram de pé e na parte direita da cabeça começaram a me queimar com cigarros na cara, em três ocasiões me queimaram os braços, em duas ocasiões o peito e logo fizeram com que me levantasse e me colocaram novamente o “capuz” e me colocaram no carro.



Mais tarde Delmer Membreño foi deixado abandonado sem sapatos no quilometro 34 da estrada que conduz de Tegucigalpa ao Departamento de Olancho, zona oriental do país.



O editor gráfico ficou sem a sua câmera fotográfica e ao ser consultado sobre a experiência vivida, expressou que “senti muito medo, temor, terror, sentiu que morreria”.
Em relação à situação atual que o país atravessa e, onde a população se encontra em estado de indefinição pela suspensão de seus direitos e garantias Constitucionais, Delmer sente o mesmo medo que tem da ditadura que vai cair, vai cair pelas próprias mãos afogados, porque já não resistem as pressões que estão fazendo contra eles, e a única forma que eles tem de reprimir o povo.



O Libertador é uma publicação quinzenal e sua política informativa compreende o combate a corrupção e ao acompanhamento dos gastos das instituições governamentais.

A partir do golpe de estado perpetrado contra o presidente Manuel Zelaya Rosales, O Libertador tem denunciado as inúmeras violações aos direitos humanos executadas pelos golpistas títeres e fascistas.


Disponível em: http://www.medioscomunitarios.org/honduras/pag/index.php?id=33&idn=8162

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Concentração em todas embaixadas de Honduras do mundo. Todo apoio a resistência contra o golpe ianque-fascista em Honduras!!!



MARCHA MUNDIAL CONTRA EL GOLPE DE ESTADO A HONDURAS Y EN SOLIDARIDAD AL PRESIDENTE CONSTITUCIONAL MANUEL ZELAYA... DIFUNDALO









Concentraciones en todas las Embajadas de Honduras en todo el mundo en apoyo a Mel Zelaya y rechazo al golpe de estado fascista en Honduras el dia 28 de septiembreFRENTE NACIONAL CONTRA EL GOLPE DE ESTADO EN HONDURAS
Posición del Frente, ante el proceso electoral 2009

NI CAMPAÑA NI ELECCIONES LEGITIMAS EN EL MARCO DEL GOLPE





Las elecciones generales sin restitución del orden constitucional serían la legalización de la violencia militar contra el Estado; por tanto, inaceptables. En consecuencia, el Frente Nacional de Resistencia contra el Golpe de Estado, declara:

1. Desconocer la campaña, el proceso y los resultados electorales, si no es restituido el orden constitucional, cuyo fundamento básico es reinstalar en el cargo al legítimo Presidente Constitucional José Manuel Zelaya Rosales.

2. Exhortamos al Partido Unificación Democrática UD, candidaturas independientes, candidatos y candidatas no golpistas a cargos de elección popular por el Partido Liberal y el PINU, que manifieste su posición política con respecto al proceso electoral en el país.
3. Condenar la militarización de la sociedad y del llamado proceso electoral por el los golpistas, que con su presencia armada introducen un elemento adicional de violencia política partidaria y que agudizan las condiciones de exclusión, oscuridad y represión en perjuicio de las y los participantes.
4. Reiterar el llamado a promover la instalación directa de una Asamblea Nacional Constituyente popular, participativa, incluyente, no discriminatoria y democrática.


http://www.redportiamerica.com/frente_nacional_contra.html

Vídeo do Jornal La Nacion mostra o ataque dos gorilas fascistas-golpistas e suas novas armas de repressão, e a resistência popular.



Disponível em: http://www.medioscomunitarios.org/honduras/pag/index.php?id=33&idn=8158

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

FARC-EP









Juramos Vencer y Venceremos!








Manuel Marulanda, el nombre de la resistencia!

“Ya no sólo los estaremos esperando en la otra orilla del río, ya no sólo los estaremos esperando en la otra montaña, ya no sólo los estaremos esperando en la otra región. Ahora volveremos a buscarlos en la orilla del río de donde un día nos sacaron, volveremos a buscarlos a la montaña de la cual un día nos sacaron a la huyenda, volveremos a buscarlos en la región de la que un día nos hicieron correr...” Manuel Marulanda Vélez.

“Mi nombre pertenece a la historia y la posteridad me hará justicia”

Bolívar

De verdad que cuando al comandante Manuel Marulanda Vélez le correspondió el turno de partir, aún habiéndonos él mismo preparado para tal momento siempre posible, mucho más latente y factible en el camino de la lucha armada, su “ausencia” entró como por las puertas de lo inesperado, llenando cada rincón del alma y de la montaña, de un enorme vació indescriptible.


Desde lo más hondo de las cosas de la selva, desde lo más profundo de la memoria, desde lo más recóndito de los anhelos y de los sueños habitados por ese colosal padre de la resistencia comunera, venía el dolor a amordazarnos la palabra y la alegría. El silencio, solo el silencio taciturno, instaló su imperio cuando la noticia de Sandra nos asaltó de súbito aquella tarde fría del luctuoso marzo en la cordillera. “Se nos fue el viejo”, decía una parte del mensaje. Tranquilo, rodeado del amor de sus combatientes, en los brazos de su compañera de trinchera y sentimientos, y hasta último momento conduciendo las operaciones para enfrentar la más grande ofensiva militar lanzada contra movimiento revolucionario alguno en Nuestra América, el legendario guerrillero, el entrañable jefe, el incondicional amigo y camarada había emprendido su marcha hacia la eternidad. Nadie atinó a decir nada, pero cabizbajo, el silencio, entre discretas lágrimas de melancolía, lo decía todo. De inmediato la Dirección de las FARC-EP procedió a colocar en manos del Comandante Alfonso Cano la conducción general de la organización y a hacer los ajustes pertinentes según las directrices preestablecidas para tal tipo de circunstancia.

Ese gran hombre que nos unió con el amor y con la sangre, ese gran padre que nos juntó en torno a sus magnánimos ideales de libertad, llevándonos de la mano por la difícil estrada de la guerra justa, por el intrincado camino del alzamiento armado en favor de los oprimidos, indicándonos con sus modos sabios y sencillos que no era otro el sendero de la vida para los explotados, ya no estaba, pero permanecía.

Ver a Marulanda, tratarlo, escucharlo, sentirse a su lado entre la inmensa carga de cariño y comprensión que prodigaba, era como entrar a un espacio colmado de cordialidad e infinita camaradería. Su presencia que llenaba de confianza y elevado respeto cualquier encuentro estaba aureolada siempre por el sugestivo encanto de su leyenda hecha con su voz de limo y lluvia, con su talante franco, con sus bucólicas maneras afables y generosas que estaban amasadas con el verde del bosque, el azul del cielo…, y, en fin, la tierra, la sagrada tierra de los surcos patrios en los que algún día ha de florecer su siembra de Colombia Nueva.
Sobre el significado, sobre la dimensión humana y política de ese combatiente de toda la vida, difícilmente podríamos aún tener una aprehensión que nos permita definirlo con suficiencia. Habría que repensar, auscultar en la profundidad de su incansable praxis revolucionaria y en el hecho de su cotidianidad, que en últimas es la existencia misma toda, segundo a segundo, dedicada como vida militante a la causa de los oprimidos.
Sin temor a equívocos, Manuel para los farianos es el nombre de la resistencia, un nombre que pertenece a la historia, un nombre al que con certeza la posteridad le hará justicia. Por ello, cuando los párpados del día se fueron cerrando con el ocaso púrpura de la tristeza en aquel marzo de menguante sin lluvia, en aquel aciago marzo de lutos concurrentes, su adiós, a pesar de la nostalgia, no podía ser sino con el puño de la esperanza en alto.

Manuel, nuestro entrañable comandante, entonces para fortuna de todos, no podía simplemente despedirse. Ahí, junto a quienes le hemos querido y admirado…, para quienes le hemos seguido siendo pueblo en armas que combate al opresor, habría de ponernos a su modo la evidencia de su permanencia, en su historia de amor para los pobres, vuelto clave de fuego en la espiral de los recuerdos, como sembrador de utopías…; en la edad imperecedera de sus mil sobre vivencias, una vez más y ya para siempre escapando como el viento de entre las manos de la muerte, labrando en los siglos como en la permanencia de la roca su nombre…

Manuel, Manuel, desde el alba hasta el crepúsculo de la esperanza en el maña transitando; con su calma de caracol retando las tormentas, paso a paso desde la tierra viniendo, para luego retozar en su vientre húmedo de donde germina nuevamente para eternizarse en la memoria del pueblo que le amaba.

No es posible dejar de imaginarlo en el susurro del bosque, en el canto de las quebradas; sentir que con el vuelo de los pájaros el rumor de sus sueños, ondeante se expande sobre el extenso cuenco del cielo.

Manuel, Manuel…; no habría risco y valle, no habría trocha y escondite insurgente, imaginable sin el resguardo de su efigie de indiana América primigenia atrincherada, trashumante, clandestina, andando como el ángel de la guarda del guerrillero. Y es que definitivamente, sólo en la memoria de los pueblos es posible la eternidad de personas que como el Comandante hicieron con su ejemplo, con la conjugación del internacionalismo y la solidaridad, con construcción de un ejército popular, de un partido, de una milicia, de un movimiento bolivariano para la revolución, una simbología imperecedera de abnegación por los demás.




Que reconfortante para el alma sentir que Manuel Marulanda no es de los que terminan en si mismos su existencia; que más allá de su vida perdurará la grandeza de su obra; así, en el “adiós” de Marulanda no hay nada que nos haga mantenernos en luto y en pena, pues él es ya un signo de bienvenida a una nueva aurora de resistencia en la que han de triunfar los oprimidos.

Así, cuando observamos que contra la expansión re-colonizadora en el mundo se han levantado diversos oponentes que no están dispuestos a permitir un destino en el que impere la explotación del hombre por el hombre como punto culminante de la historia, nos encontraremos con que uno de ellos, es el movimiento revolucionario que encarna la insurgencia colombiana, y en ella el movimiento fundado y forjado por el legendario guerrillero.

El héroe insurgente, ha hecho su resistencia perseverante, digna, imperecedera, durante más de medio siglo, contra el capitalismo, contra la imposición del neoliberalismo, contra la globalización del antihumano fundamentalismo depredador del dólar, oponiéndose al credo mezquino de las trasnacionales, a la militancia financista y militarista del imperialismo usurero, hasta la circunstancia de haberse convertido en incómodo opositor, uno de los problemas fundamentales, obstáculo real y difícil para el desenvolvimiento tranquilo de los planes expansionistas de Washington, en tanto que su accionar se ha mantenido como práctica de larga duración muy arraigada en la historia de Colombia y del continente, proyectándose como un legado de dignidad, hasta los horizontes infinitos de la esperanza en un mundo mejor.

El ejemplo y el ideal del guerrillero histórico -Marulandismo podríamos llamarle a esta heroica gesta humanamente humana-, es, entonces, factor inadmisibles para la dictadura hegemonista de las corporaciones y sus lacayos de cada oligarquía local, los reformistas y los timoratos arrepentidos del orbe. Unos y otros sueñan, en consecuencia, con el imposible de la desaparición del proyecto bolivariano de Manuel tanto como con el imposible de mantener en adormecimiento, por los siglos de los siglos, a los pueblos que lidian por su emancipación. Menos podrá ser factible tal circunstancia en tiempos en que se profundizan sin remedio los problemas que están hundiendo al capitalismo en una muerte ineluctable cuyos funerales están anunciados en los factores que engrosan su evidente “crisis sistémica” caracterizada en sus estertores luctuosos, por la terrible intensificación de la represión, de la violencia política y otros pataleos que buscan penosamente aplastar las resistencias activas o pasivas de las rebeldías de los pobres de la tierra que le aguijonean por doquiera a pesar de su ferocidad.

La ofensiva del régimen oligárquico colombiano para aniquilar a las FARC-EP, hace parte de la estrategia del imperialismo global, especialmente del imperialismo yanqui, para arrasar la resistencia a las políticas de expolio y subyugación desatadas no sólo contra los pueblos de Colombia y la América Latina, sino contra los pueblos del orbe que buscan la emancipación anticapitalista.

Entonces, el caso del conflicto político, social, armado que padece Colombiano está contextualizado en el todo de la persecución implacable pero vana que el imperialismo y sus obedientes oligarquías locales desatan contra las izquierdas revolucionarias verdaderas; está inmerso en la estrategia imperialista de sometimiento colonialista que suma invasiones como las hechas sobre el suelo iraquí o afgano…, o medidas espurias que componen la llamada lucha antiterrorista posterior y anterior a la caída de las torres gemelas, o acciones intervencionistas del tipo que se ejecutan contra Palestina y demás pueblos del mundo a los que se les pisotea su derecho a la autodeterminación con el propósito deleznable de la acumulación capitalista.

Siendo las FARC-EP una fuerza creada con paciencia y tesón por un líder de la talla del Comandante Marulanda Vélez, ello implica la existencia en el pensamiento y en la práctica, de una estrategia revolucionaria de sólidos principios, en constante desarrollo, que no se ha dejado embrujar por los cantos de sirena de las desviaciones parlamentarista decadentes que han abdicado del necesario combate teórico y práctico a la perfidia guerrerista de la clase explotadora, al inventar un inadmisible pacifismo que desecha la acción militar como legítimo factor de la praxis revolucionaria.

La visión marxista y bolivariana de la fuerza cimentada por el comandante Manuel no ha caído ni caerá -si se atiende, como hasta ahora, a su modesto legado vital-, en la trampa de la conciliación que se atrinchera en el engaño de ver al Estado y sus aparatos de represión subordinantes como un conjunto apaciguable con paliativos democrateros que en nada tienen que ver con la real participación del pueblo en la conducción del destino de la sociedad, por la sencilla razón de que en sus propósitos históricos ha trazado un derrotero de lucha cuya ética de cimientos morales imbatibles, no pasa por alto que los explotadores han concebido desde siempre una máquina de poder con inmanente carácter violento según su propia condición de origen, que de suyo hace pueril la admisión de la posibilidad de esa superchería llamada “convivencia pacífica”, ya de suyo revaluada por la realidad.

En el caso de las FARC, no nos encontramos ante una construcción donde pueda retozar el marxismo de escritorio, propio de los sapientísimos ideólogos que imponen el oropel del pacifismo y la mansedumbre borreguil de la intelectualidad “postmodernista”. No es el envanecimiento del teoricismo sin compromiso lo que ha forjado Manuel Marulanda Vélez.

Las FARC-EP hacen parte de un presente en el que la crisis capitalista, aún con la presencia de un imperio de ingente poderío bélico, está avocada a un desbarajuste sin precedentes que lo hace más peligroso y que por esta misma circunstancia obliga a no descuidar aquello que la cobardía y el oportunismo de los arrepentidos, reformistas y claudicantes camuflan con retórica pacifista; es decir, el aspecto militar de la lucha de clases. Y precisamente sobre este asunto es que llama la atención la existencia de las FARC-EP, a cuya forja dedicó su vida entera el comandante Manuel, demostrando su posibilidad y pertinencia, y conminando con ejemplo modesto a no dejarlo de lado ni por un instante.

Este asunto es, sin duda alguna, inmanente a la visión estratégica de la praxis política de las FARC como fuerza revolucionaria necesaria. Pero tomando en consideración, ante todo, que la fortaleza y viabilidad de su presencia en el frente de batalla antiimperialista radica, en lo más esencial de su hechura, en la tenencia de una concepción emancipadora en cuyo seno anida la absoluta ligazón y confianza con las pobrerías, con las masas oprimidas y explotadas.

Los desbocados ánimos triunfalistas de la llamada guerra contra el terrorismo, no son otra cosa que la guerra contra las ansias y la determinación de emancipación de los oprimidos. El imperialismo, de manera sangrienta y desvergonzada conjuga su violencia expoliadora llamando terrorismo a la resistencia de los débiles y oprimidos y guerra al terrorismo de los fuertes y opresores, contando con el penoso auspicio y la justificación de los arrepentidos y los equivocados que ciegamente buscan en la resistencia de los oprimidos la causa de la perversidad de los opresores. Asqueroso servicio de lacayos es el que juegan, entonces, mediante sus llamados al desmantelamiento de la resistencia, al desarme -en el sentido estricto de la palabra- de las diversas formas de lucha de los explotados, con la historieta de que la lucha insurgente y la rebelión armada son asuntos de tiempos pasados que no acompasan con el presente. Pero, entretanto, nada dicen contra el imperialismo que sigue clavando por toda parte sus garras de saqueo y de muerte, mediante la diseminación de sus bases militares, sus flotas de guerra, sus tropas, sus huestes mediáticas, sus agentes del derrotismo, etc.

No será la batalla de ideas, desarmada y querubínica, la que detendrá la jauría imperialista sino la sistematizada, preparada, osada y audaz respuesta de los explotados, que no podrá quedarse en el mero plano defensivo sino que en la teoría, en el campo ideológico y en el militar deberá pasar a la ofensiva sin titubeos. Y no es este un capricho artificioso del guerrerismo de los violentos o de los terroristas según el concepto estigmatizante que se aplica a la legítima rebeldía popular. Durante décadas la historia no ha hecho sino reconfirmarnos que es la violencia su partera y que las revoluciones no se hacen con paños de agua tibia.

No es la primera vez y no será la última durante un buen tiempo que el capitalismo aplicará sus tácticas y su estrategia de guerra para mantenerse vivo, pues de ello depende la posibilidad de su acumulación como garantía de existencia. Y al tiempo, el objetivo nodal de la supervivencia humana y la conservación de la naturaleza como su esencia, requiere acabar sin tardanza con la causa fundamental del inminente caos planetario: la presencia avasallante del capitalismo. Así, solamente con la acción revolucionaria de quienes se preparen para esta realidad, evitando las guerras evitables pero enfrentando aquellas de las que dependa abrir el camino de la paz y la justicia, es que haremos el anhelado mundo mejor en el que se garantice la sobre vivencia del género.

Será la acción conjunta de los revolucionarios y de las fuerzas democráticas la que evite la hecatombe nuclear que pende como amenaza sobre el mundo entero y la que acabe con la explotación del hombre por el hombre. La otra triste e inadmisible opción sería la sumisión; es decir, esa condición de lacayo que es más penosa que la muerte.

Frente al inveterado carácter infame de las oligarquías y del imperio, lo que hemos aprendido del Comandante es que no hay otro camino para establecer el estadio de la justicia y la libertad que el de la revolución comunista, que es el rumbo ineluctable que siguen las FARC-EP, combatiendo mediante todas las formas de lucha al imperialismo. Sólo la revolución comunista podrá librarnos del caos. Esa es nuestra convicción, y para lograrla confiamos en el pueblo, en su capacidad de propiciar los cambios radicales que se necesitan; confiamos en la posibilidad de cohesión de las fuerzas revolucionarias del continente y del mundo que van más allá de quienes nos desprecian con el argumento de que no tenemos teoría ni reflexión política y nos tildan de militaristas mientras repiten las ignominias del imperio. No nos desvelan quienes se suman al coro de los que desde el poder despótico propalan el fin del fin de nuestra resistencia, no nos inquietan quienes a nombre de la “oposición democrática” pretenden empujarnos a la hoguera de de las abdicaciones con sus embaucadores consejos elaborados desde su soberbia tontivana de sapientísimos súper analistas de la politología o, mejor, de la escatología que sólo sirve a los intereses de esa albañal que es el reino de las trasnacionales, enmascarándose en el academicismo científico de pacotilla, que ningún compromiso tiene con el destino de los oprimidos.

Preferimos que nos llamen analfabetas. Nunca aprenderemos su ABC de la traición y el arrodillamiento recomendado en sus teorías. Pues con Manuel Marulanda lo que hemos aprendido es a ir de la mano de aquellos hombres y mujeres del pueblo a quienes desprecian y consideran ignaros los oligarcas y sus lacayos…; ir junto a ellos en sus luchas errando, sufriendo sus penas y lutos, fallando y acertando…; ir en sus pies descalzos, untándonos de su sudor descamisado, de su marcha hambrienta…; ir, avanzar con ellos hacia, la victoria o hacia la muerte.

No importa que el camino nos depare lo peor. Recibiremos las vicisitudes de la marcha con decoro. Qué importan los tropiezos, pues como bien lo expresara Bolívar en momentos de dificultades, “nada nos detendrá si el pueblo nos ama”. No estamos hechos para correr despavoridos frente a los primeros golpes del destino, para frenarnos ante los peligros; no tenemos espíritu para la resignación o el derrotismo. Para nosotros nunca será tarde para empezar, para reiniciar y mucho menos para continuar. La lucha revolucionaria es ahora y si las condiciones no estuvieren dadas, habrá que fraguarlas.

Quienes anhelen nuestro desarme teórica, política y moral; quienes nos pretendan renegando de la lucha armada, pueden irse preparando para el desengaño, porque nuestro camino es el trazado por el ingente ideario de los revolucionarios de todos los tiempo, por Marx y Lenin, por Bolívar Libertador…, por el inclaudicable genio de la guerra de guerrillas que ha sido Manuel Marulanda Vélez; es decir, el sendero del sagrado derecho a la rebelión con toda nuestra determinación de sacrificio, dispuestos al diálogo pero también a la guerra justa por la liberación; a la guerra por la paz que es el sueño de los desposeídos.

Si un réquiem ha de sonar ahora no es otro que el del tableteo de los fusiles anunciando la inviabilidad del capitalismo. Eso lo saben los oligarcas y ello los envilece aún más cuando la zozobra de su avaricia insaciable les coloca en el deseo de lograr el aniquilamiento a sangre y fuego de la resistencia popular y una muerte violenta, el peor final para el legendario jefe guerrillero al que tanto temieron, al que tanto han odiado y tanto han perseguido contribuyendo con ello, paradójicamente, a engrandecer lo que ya es una heroica leyenda de resistencia sin igual en la historia contemporánea de Colombia y de Nuestra América.

Ahora, las hienas del fascismo, siguen buscando en la montaña el huerto sagrado donde está sembrado el combatiente; aspiran a encontrar una imposible seña que les permita ingeniar una improbable victoria sobre la presencia avasallante del invicto guerrillero. Pero Marulanda, camaradas, vuelve a escapárseles como el viento. La muerte natural del comandante luego de haber forjado tanto ejemplo de lucha inquebrantable y de haber establecido el ejército revolucionario que hoy se despliega a lo largo y ancho de Colombia, lo deja más vivo, dando con ello un golpe en el corazón de odio de sus perseguidores; haciendo indefectible la pronta alborada de libertad para los pobres.

Frente al altar de nuestros muertos, frente a la memoria y el ejemplo del Comandante Manuel Marulanda Vélez, quienes nos sentimos orgullosos de ser guerrilleros, quienes jamás renunciaremos al legítimo derecho a la rebelión armada, ¡hemos jurado vencer y venceremos!





Textos de: Jesús Santrich, integrante del Estado Mayor Central. FARC-EP.
Septiembre de 2008.

Disponível em: http://frentean.110mb.com/

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Reitoria de "extrema-direita" da UFSC censura Livro de escritor colombiano que relata o "terrorismo de estado" em seu país!




Livro relata o terrorismo de estado praticado pelo narco-assassino governo de Uribe capacho.












Jornalista e Escritor Hernando Calvo Ospina
_____________________________






















Entrevista da Jornalista Elaine Tavares.


Disponível em: http://eteia.blogspot.com/


_____________________________

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Justiça do Amapá suspende sentença de José Antônio Toffoli



Indicado para o Supremo Tribunal Federal (STF), o advogado José Antonio Dias Toffoli conseguiu suspender os efeitos da sentença que o obriga a devolver R$ 420 mil aos cofres públicos do Amapá. A condenação está mantida, mas Toffoli só terá de desembolsar os recursos se o Tribunal de Justiça do Estado, que julgará a apelação, confirmar a sentença de primeira instância.

O juiz titular da 2ª Vara Cível, Mario Euzébio Mazurek, recebeu o recurso da apelação de Toffoli e encaminhou o processo ao TJ do Amapá. Os advogados de Toffoli argumentam que o juiz responsável pela condenação, Mario Cezar Kaskelis, cerceou seu direito de defesa. Eles alegam que a sentença foi proferida dias antes da audiência marcada pela própria Justiça do Amapá para ouvir duas testemunhas: o ex-presidente do Supremo e ministro da Defesa, Nelson Jobim, e o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Caputo.

Toffoli e seus sócios no escritório de advocacia Firma Toffoli & Telesca Advogados Associados SC são acusados de firmar um contrato com o governo do Amapá para representar o Estado nos tribunais superiores em Brasília. Toffoli e seus sócios foram contratados e deveriam exercer a função dos procuradores do Estado, a quem cabe prestar assistência jurídica ao governo do Amapá. O contrato, feito por meio de licitação pública e prorrogado por um aditivo, exigia apenas que o escritório vencedor dispusesse de dois advogados, com pelo menos dois anos de experiência.

Esse processo é um problema a mais para a indicação de Toffoli e terá de ser explicado aos integrantes da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, onde será sabatinado no dia 30.


Antes mesmo de o nome ser oficializado, Toffoli era criticado por ter sido advogado do PT, ser ligado ao ex-deputado José Dirceu e ter defendido no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o presidente Lula em três campanhas eleitorais - 1998, 2002 e 2006. Depois que foi confirmada sua indicação, ele decidiu sair de férias da Advocacia-Geral da União e evitar entrevistas ou eventos públicos.




DENÚNCIA CONTRA TÓFFOLI FOI AÇÃO CONCERTADA


A notícia de que o escritório de advocacia de José Antonio Dias Tóffoli já tinha sido condenado por irregularidades na prestação de serviços legais ao governo do Amapá foi publicada simultaneamente por jornalões como a Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo, e grandes revistas como a Veja e a Época.





Como jornalista veterano que sou, com longa atuação tanto nas redações como em assessoria de imprensa, não tenho dúvidas quanto ao que ocorreu: uma mão misteriosa fez chegar tal informação aos principais veículos da imprensa brasileira, mas impôs um embargo de publicação até sábado (19/09).




É uma prática muito adotada nos casos em que um assessor de imprensa tem uma informação quente para passar, mas quer extrair dela o máximo proveito. Embarga-a até uma data estratégica, quando todos os veículos a divulgam simultaneamente, para que nenhum deles seja furado pelo outro.

E por que sábado? Simples: porque é o dia em que vão para as bancas as revistas de maior circulação.

Então, o municiador oculto exigiu que os jornais esperassem tal dia para soltar suas matérias. E as revistas deram espaço mais generoso para esta notícia do que dariam se a estivessem soltando a reboque dos jornais.



Como se nota, principalmente, na Veja, a matéria foi trabalhada com muito empenho. Leva alguns dias para se produzir algo assim.

Então, é de supor-se que a plantação desta notícia desfavorável a Tóffoli ocorreu bem antes da 5ª feira (17/09), quando o presidente Lula assinou sua mensagem indicando-o para o STF.

Digamos, na 2ª feira (14/09), quando Tóffoli já era tido como o preferido do Planalto, foram feitos os contatos.



Os veículos receberam a informação, com um bom prazo para produzirem suas respectivas matérias, que deveriam ser todas publicadas no sábado, caso Lula formalizasse a indicação de Tóffoli até lá. E o acordo, como se pode constatar, foi respeitado por todas as partes.

Tendo sido Gilmar Mendes quem lançou a palavra de ordem "Toffóli não deve votar no julgamento de Battisti!", isto pode indicar que ele haja participado da tramóia e agora esteja tentando despistar, ao, aparentemente, defender o indicado por Lula.

Acompanhe a tramóia aqui no link: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI93993-15223,00-TOFFOLI+PODE+ENFRENTAR+SABATINA+DRAMATICA.html

Ou, apenas, viu aí uma boa oportunidade para alvejar o PT, acusando-o de ter, quando ainda estava na oposição, introduzido a prática de manchar a biografia dos adversários políticos escolhidos para o Supremo.




O certo é que houve uma ação concertada contra o Governo Lula, à qual a mídia deu prestimosa colaboração.

E quem foram os responsáveis pela armação?

Podem ter sido os partidos que querem desalojar o PT do Planalto.

Ou os reacionários mancomunados contra Battisti.


Ou ainda, o que é mais provável, uma ação entre amigos -- até porque esses dois conjuntos se confundem e complementam.
 
Texto de Celso Lungaretti.
Disponível em: http://apesardevc19641985.blogspot.com/?zx=e23e7ce1957f41a8

Marina Silva: uma jogada da base governista para desestabilizar Serra


O caráter do desligamento da Senadora Marina Silva do PT e o significado de seu posterior lançamento à presidência da república pelo PV só poderá ser realmente compreendido à luz de uma rigorosa análise marxista da conjuntura nacional e sua correlação de forças entre as classes sociais. Como revolucionários, buscamos abstrair as conclusões para além das aparências mais “ululantes” e desvendar os “sofisticados” movimentos da burguesia no delicado tabuleiro da luta política.
A esquerda tradicional logo se dividiu em analisar as conseqüências da candidatura de Marina, mas ao menos ficou um consenso, o surgimento de um fato novo com desdobramentos muito importantes para os resultados eleitorais de 2010. Não perderemos tempo aqui em discorrer sobre o caráter venal do PV ou da própria trajetória burguesa de Marina, de uma ex-militante do PRC na década de 80 até se tornar a ministra do ambiente, ideal para os investidores das transnacionais e empreiteiras controladas pelas oligarquias regionais, como os Sarney. Mas afinal, a quem serve o lançamento de Marina à presidência? Serve à oposição conservadora demo-tucana ou aos planos de Lula de aniquilar Serra no primeiro turno, evitando assim uma eleição plebiscitária sobre seu governo em 2010? Como reagiu a chamada oposição de esquerda, PSOL e PSTU, dividida entre a perplexidade e o pânico de simplesmente sumir do mapa eleitoral em 2010?


Sem sombra de dúvidas, a grande maioria das “opiniões e palpites” sobre Marina reforça a tese de uma operação manipulada diretamente pelo governador tucano Serra no sentido de dividir os votos da frente popular. Afinal a figura de Marina estaria identificada com a esquerda e a defesa da ecologia. Além disso, a senadora acreana deixou há pouco o governo balbuciando algumas críticas à política ambientalista de Lula, à qual recusava-se seguir integralmente na dinâmica imposta pelo setor “desenvolvimentista” da ministra Dilma Roussef. Corroborando nesta direção, o PSTU chega a afirmar: “O PV estima obter ao menos 10% dos votos, grande parte do eleitorado de esquerda... Assim, a candidatura é um obstáculo para Dilma e um presente para a oposição de direita” (Opinião Socialista nº385, 20/08/09). Com uma investigação um pouco mais criteriosa, concluiríamos exatamente o inverso do que pensam os morenistas do PSTU. A faixa em torno de 10% do eleitorado mais “politizado” que votaria em Marina já não votou em Lula nas eleições de 2006, esta franja pertence à própria Frente de Esquerda (PSOL e PSTU) ou com a crise deste bloco esgotado por suas proprias contradições, migraria mais facilmente para os tucanos Serra ou mesmo Aécio, pelo discurso anti-Lula. A grande base eleitoral da frente popular já está muito distante das classes médias acomodadas do eixo Rio/São Paulo, onde o PT nas últimas eleições municipais amelhoou um rotundo fracasso político.


 Marina, uma figura frágil, desconhecida da massa proletária e camponesa com seu apelo ecológico e da “auto-sustentabilidade” só pode arranhar a própria base eleitoral tucana de classe média, além de granjear os votos da ex-senadora Heloísa Helena que, diga-se de passagem, já previamente recolheu-se da disputa ao Planalto. Retirando votos de Serra e aniquilando o PSOL, Dilma desponta como grande favorita a fechar a fatura eleitoral logo no primeiro turno com o bônus de que será a própria Marina o carrasco dos tucanos, um excelente ponto de partida para seu novo governo composto por um arco partidário ainda mais amplo que o atual de Lula.
Mas se a candidatura Marina é o próprio tiro no pé do governador paulista, fica evidente que o progenitor desta jogada política encontra-se bem distante do Palácio dos Bandeirantes. Vejamos que o próprio PV, a exceção dos diretórios do Rio e de São Paulo, é controlado majoritariamente pelo próprio Palácio do Planalto. O partido integra o ministério de Lula e no Congresso Nacional segue a orientação da base governista. Não por coincidência, acaba de ser conduzido à liderança do PV na Câmara o baiano Edson Duarte para “azeitar” melhor as reivindicações da bancada junto ao governo Lula. Outro dado interessante é que a própria base militante de Marina no Acre não se desfiliou do PT.



Como já dissemos no início deste artigo, para compreender o alcance da candidatura Marina é necessário ter clareza que o governo da frente popular detém o manche da situação política, a ausência de uma ofensiva popular (cooptação do movimento operário e camponês) e a superação parcial do crash financeiro, leia-se redução do volume de crédito, catapultaram a gestão de Lula a frente do Estado burguês como modelo mundial de estabilidade social. Neste quadro, onde os índices econômicos retornaram a patamares “pré-crise”, ou em muitos casos chegaram mesmo a superarem (como as vendas da indústria automotiva), o governo tem a necessária margem de manobra para ousar enviar um presente de grego às hostes da oposição reacionária, além de retirar das mãos do PSOL a bandeira da “oposição de esquerda”, entregando a um partido bem mais dócil, domesticado e sem nenhuma base social militante como é o PV.



Ameaçada de naufrágio iminente, a Frente de Esquerda reagiu de maneira heterogênea ao lançamento de Marina Silva à presidência. Sua principal expressão pública, Heloísa Helena, hoje amargando um posto de vereadora em Maceió, pouco interessada na sobrevivência coletiva do PSOL, logo se apressou em defender uma nova versão da liliputiana frente popular agora tendo na cabeça de chapa a ex-colega do Senado.



Para Heloísa Helena seria um cenário perfeito: livraria-se do pesado encargo de candidatar-se novamente à presidência e ainda por cima, sem “peso na consciência”, garantiria retomar sua vaga de senadora por Alagoas. Acontece que na política burguesa os acordos costumam fluir por outros meio, ou seja, se o PSOL pode coligar-se tranquilamente com o PV em estados como Alagoas e Rio Grande do Sul, por exemplo, não poderia repetir esta fórmula no Rio e São Paulo onde a coligação dos verdes será com os democratas e tucanos. Se para Heloísa Helena e Luciana Genro a aliança com o PV poderá ser um bom negócio, já para os deputados Ivan Valente e Chico Alencar seria indefensável subir no palanque de Kassab e César Maia. Por este motivo a engenharia política de uma coligação entre PSOL e PV esbarra em obstáculos fisiológicos regionais, muito mais além de qualquer oposição programática entre as duas legendas. De qualquer modo, a corte do PSOL segue tecendo elogios a Marina Silva, tentando colar-se à nova onda burguesa, ainda que nos bastidores do espetáculo eleitoral as frações psolistas já iniciaram entre si uma verdadeira briga de foice no escuro.



Já para o PSTU, que vislumbrara o apocalipse do capitalismo já em 2009... para logicamente tentar eleger algum parlamentar em 2010 na composição com o PSOL, restou a casca do abacaxi! Agora estão órfãos da candidatura de Heloísa Helena, o que forçosamente os obrigaria a relançar Zé Maria caso o PSOL venha a apoiar Marina à presidência da República. Nesta opção, o sonho de um lugar no parlamento estaria natimorto. Como não há mais espaço para sonhos resta aos morenistas o delirius tremens de uma leitura absurda da realidade: “Existe uma crise que começa a se abrir no projeto governista para 2010. A candidatura de Dilma Rousseff começa a manifestar suas fragilidades desde já. Uma série de crises (Sarney, a famosa reunião com Lina Vieira) se soma às incertezas de sempre sobre a evolução da crise econômica em 2010, e agora ao problema Marina. A confiança alardeada da transmissão dos votos de Lula para Dilma já não existe” (A crise do PSOL, Eduardo Almeida Neto, da Direção Nacional do PSTU e editor do Opinião Socialista, edição nº 386, 27/08/09).




 Para tentar ocultar uma política de profunda capitulação ao regime burguês e de completo imobilismo a frente da Conlutas, o PSTU ainda insiste em negar o controle das iniciativas políticas pelo campo da frente popular. Não quer enxergar que as fricções interburguesas (crise no Senado, caso Lina) ocorrem em um quadro de ausência de resposta operária diante da ofensiva capitalista.



A estabilidade do governo Lula é produto direto do recuo histórico por que atravessa o movimento de massas. Pateticamente restou ao PSTU a missão de implorar vergonhosamente a Heloísa Helena que pelo menos mantenha sua candidatura nos marcos reformistas de 2006 ou serão vítimas fatais de suas próprias alucinações catastrofistas e de um programa revisionista de apego à institucionalidade parlamentar.

sábado, 19 de setembro de 2009

GILMAR MENDES LANÇA LOBBY CONTRA VOTO DE TOFFOLI NO CASO BATTISTI


A indicação de José Antonio Dias Toffoli para substituir o falecido ministro Carlos Alberto Direito no Supremo Tribunal Federal deu ensejo a mais um ato falho do presidente da instituição, Gilmar Mendes.

Mal fez os elogios de praxe a Toffoli, ele começou a pressionar para que o ex-advogado geral da União não participe da conclusão do julgamento do Caso Battisti.

Reconheceu inexistirem restrições legais a que Toffoli dê seu voto, desde que já tiver sido sabatinado pelo Congresso Nacional e empossado no STF. Mas, disse que ele "dificilmente" votará, por conta do prazo e das "peculiaridades do caso".



"Prazo"? Mendes parece ter esquecido que prazo era o que menos lhe importava quando deixou de libertar Cesare Battisti no momento da concessão do refúgio humanitário pelo Governo Federal, mantendo-o ILEGALMENTE preso desde janeiro e só marcando o julgamento sob vara, quando o grande jurista Dalmo de Abreu Dallari o acusou publicamente de haver tornado o escritor italiano um prisioneiro político do STF.


Quanto às "peculiaridades do caso", Toffoli não precisará nem de meia hora para concluir que inexiste um caso. Por vários motivos:

o refúgio de Battisti foi concedido por quem de direito, segundo a lei vigente; a jurisprudência é inequívoca no sentido de que, uma vez tomada a decisão pelo Governo, pedidos de extradição devem ser arquivados; Battisti foi condenado por crimes políticos, mediante o enquadramento numa lei italiana criada para combater a subversão contra o Estado; se os crimes fossem comuns, a Justiça italiana deveria apreciar cada um deles isoladamente. Mas, julgou-os todos de uma vez, num só pacote, o que confirma sua caracterização política; a Lei do Refúgio estipula que estrangeiros não devem ser extraditados para cumprir sentenças por crimes políticos; e como o refúgio é um intituto humanitário, prevalecem na sua apreciação as leis do governo concedente e não as do que pleiteia a extradição. Ora, pelas leis brasileiras a sentença de Battisti está há muito prescrita.




Então, o que se tramou e quase se cometeu naquela quarta-feira negra foi a subversão da lei e o estupro da Justiça. O providencial pedido de vistas do ministro Marco Aurélio Mello evitou o pior.

Toffoli, avaliando de forma isenta o relatório do ministro Cézar Peluso, perceberá facilmente que não se trata de peça jurídica, mas de mera expressão de desejo.



Queria entregar a cabeça de Battisti a Berlusconi e tentou, por meio de contorcionismos e malabarismos, dar aparência de legalidade ao que não passaria de um linchamento togado.

Ao invés do equilíbrio que se espera de um relator, ele atuou como um torcedor de futebol apresentando os motivos pelos quais seu time, e nenhum mais, tem de ser campeão...




Outros três ministros se prestaram a conceder a Caliguloni o troféu de que tanto necessita para ofuscar os escândalos por ele protagonizados, e à direita brasileira munição para iniciativas mais ousadas em sua escalada reacionária (como, p. ex., a de tentar enquadrar também como crimes comuns os atos praticados pelos resistentes que pegaram em armas contra a ditadura militar).











ARDIL MALOGRADO

Tão ansioso Gilmar Mendes estava em bater o martelo que tentou passar por cima do pedido de vistas do ministro Marco Aurélio. Fez como se este já houvesse votado pela concessão do refúgio e começou a emitir seu voto de desempate.

Interveio o atento advogado de Battisti para alertá-lo da existência do pedido de vistas. Foi quando Marco Aurélio se deu conta do que Mendes estava tentando e lhe deu um chega-pra-lá, reiterando que precisava de tempo para estudar melhor o caso.

Visivelmente contrariado, Mendes teve de bater em retirada, suspendendo a sessão.


No dia seguinte, correu a defender seu pupilo das fundamentadas críticas de Tarso Genro ao relatório unilateral e tendencioso que Peluso cometeu.

Como sempre, preferiu manifestar-se na mídia do que nos autos, ignorando a liturgia do seu cargo: onde já se viu presidente do Supremo batendo boca com ministro da Justiça?

E agora, ao dar o pontapé inicial no lobby contra a participação de Toffoli no julgamento de Battisti, evidencia seu temor de que o fator novo detone seu plano de, enfim, vingar-se do vexame de 2007.

No caso de Oliverio Medina, acusado de envolvimento com a guerrilha colombiana, Mendes foi o relator e introduziu toda a racionália tortuosa agora recauchutada por Peluso.

Mas, ele ainda não presidia o STF e seu relatório foi derrubado por sonoros 9x1, com todos os demais ministros reconhecendo que não cabe ao Supremo intrometer-se quando o Governo já concedeu refúgio.



Mendes viu no despropositado pedido de extradição do escritor uma oportunidade de reapresentar sua tese destroçada em 2007. E tudo fez para colocar Battisti à mercê da vendetta italiana.

Agora, percebendo que seu castelo de cartas começa a desabar -- não só por causa da posse do novo ministro, mas porque as aberrações jurídicas propostas por Peluso deram demasiadamente na vista, ensejando contra-ataques vigorosos --, Mendes tenta salvar o plano A. Talvez porque, de tão desmoralizado que anda, falte-lhe margem de manobra para um plano B.


A comparação que me ocorre é com um jogador que marcou cuidadosamente as cartas mas, no momento das apostas altas, vê o dinheiro escapar-lhe das mãos: o adversário exige troca de baralho.

Caso se confirmem os receios de Mendes, o Brasil, pelo menos, evitará repetir o papel infame que desempenhou ao entregar Olga Benário para a morte nos cárceres nazistas; e Battisti terá, finalmente, reconhecido seu direito de residir e trabalhar em paz, neste país que tradicionalmente prefere a cordialidade à intolerância.
Justiça só teria sido realmente feita se o STF houvesse se recusado, por unanimidade, a apreciar o que o Governo já decidiu. Então restará, como tarefa para o futuro, a correção do descalabro cometido na primeira votação, quando o Supremo decidiu usurpar prerrogativa do Executivo, num atentado à separação de Poderes.

Dos males, o menor. A perspectiva é de que este episódio deprimente termine de tal forma que os religiosos dirão: Deus escreveu certo por linhas tortas.

Amém.



sexta-feira, 18 de setembro de 2009

O Modo Petista de Governar!


A Eletrosul contratou a empresa Sol Comunicação, Planejamento Estratégico e Organizacional Ltda, que tem como sócia-diretora Maria Solange Fonseca, nora do presidente da empresa Eurides Mescolotto (PT), para prestar consultoria na área de planejamento estratégico.

A prestação de serviço é mais um capítulo das relações familiares e o dinheiro público apontada pela Folha de São Paulo no início do mês, que envolveu a senadora Ideli Salvatti (PT), seu ex-marido Eurides Mescolotto, o filho, Filipe Salvatti Mescolotto, e a nora, Maria Solange Fonseca.



A nora de Mescolotto já havia prestado consultoria para a Eletrosul por meio da empresa Newfield Consulting.

Desta vez a empresa dela própria — chamada Sol — foi convidada, por meio de carta convite, em março deste ano, para facilitar o processo de elaboração do planejamento estratégico da maior estatal do Sul do país.

O contrato, de R$ 71,6 mil e carga horária de 550 horas, foi assinado pelo gerente do departamento de Suprimentos, Sadi Luiz Shoeler, pelo gerente da Divisão de Licitação, Claudiney Gonzaga França, e por Maria Solange Fonseca no dia 1° de julho.

A gestora do contrato na Eletrosul é Sandra da Silva Peres, gerente da Assessoria de Gestão Empresarial, diretamente ligada à presidência. A consultoria foi dividida em etapas como reuniões de trabalho com empregados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.




A intenção é sensibilizá-los para a necessidade de uma postura proativa sobre o futuro da empresa. Pelo contrato, a prestação de serviço terminaria em 30 de setembro com a apresentação do trabalho para a diretoria.

Nota da Eletrosul, enviada às 20h26min dessa quinta-feira, afirma que Maria Solange pediu a rescisão do contrato na segunda-feira, dia 14. A nota não deixa claro se o pedido da consultoria foi aceito.

A empresa da nora do presidente da Eletrosul também promoveu um workshop para assessores e gerentes da estatal, em março, no Hotel Jurerê Beach Village, Norte da Ilha, na Capital. Pelo evento recebeu R$ 6,8 mil.


Ao justificar a realização do workshop, a Assessoria de Gestão Empresarial escreveu que “foi feito o primeiro workshop para a alta administração da Eletrosul e, em face do bom resultado, foi solicitada a continuidade do trabalho com a participação de gerentes e assessores impedidos no primeiro momento”.

No site da Eletrosul não há informação sobre a consultoria da Sol.



Contrapontos



O Gerente da Divisão de Licitação da Eletrosul, Claudiney Gonzaga França, que assinou o contrato da Eletrosul com a empresa Sol, disse, por telefone, que era responsável pela área de licitações, assinou o documento mas não sabia que tratava-se da empresa da nora do presidente Eurides Mescolotto.

— Particularmente eu não sabia, quer dizer, não tinha conhecimento desse parentesco. Eu não sabia de vinculação alguma, nem imaginava.
França disse não saber quem fez o convite para a empresa Sol, mas assegurou que normalmente elas são convidadas por meio do cadastro de fornecedores que a Eletrosul possui ou pela internet. A Eletrosul estava disposta a pagar R$ 79,7 mil pelo trabalho.

O presidente da Eletrosul foi procurado para falar sobre a contratação, e sua assessora pessoal, Rose Nascimento, encaminhou nota,  (veja abaixo e "Entenda as relações").

A sócia-diretora da empresa Sol, Maria Solange Fonseca, foi procurada pelo telefone celular várias vezes durante a tarde de quinta, mas não atendeu as ligações.




A Gerente de Assessoria de Gestão Empresarial da Eletrosul, Sandra da Silva Peres, também não atendeu o telefone celular. No seu local de trabalho informaram que ela estava em uma reunião externa e que não poderia atender telefonemas.








Arte ilustra relação entre envolvidos

Foto:Reprodução/Arte DC


Entenda as relações: Documento interno pedindo autorização para um workshop - Relação dos três possíveis proponentes para consultoria; vencedora foi a Sol, da nora do presidente da estatal -  Proposta de contratação de consultoria técnica para facilitação do processo de análise e revisão do Planejamento Estratégico da Eletrosul - Parte do contrato de consultoria - Autorização de serviço para a consultoria

1 - http://www.clicrbs.com.br/pdf/7020244.pdf

2- http://www.clicrbs.com.br/pdf/7020243.pdf
3- http://www.clicrbs.com.br/pdf/7020241.pdf
4- http://www.clicrbs.com.br/pdf/7020230.pdf
5 - http://www.clicrbs.com.br/pdf/7020220.pdf
6- http://www.clicrbs.com.br/pdf/7020053.pdf



Carta Aberta das FARC para a UNASUL e os Países da ALBA



Como organização política - militar amparada pelo Direito Universal que legitima a rebelião armada contra regimes opressores e tirânicos, nos dirigimos à União de Nações Suramericanas, UNASUL, e à Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América, ALBA, com a esperança de participar-lhes nossos pontos de vista em torno à tensão gerada pela instalação de bases militares estadunidenses em território colombiano.

Colômbia padece o mais cruento e prolongado conflito interno da historia de Nossa América, mas por razoes de uma perversa estratégia, o Presidente Uribe nega sua existência. O governo de Colômbia é o primeiro receptor de ajuda militar norteamericana no Hemisfério. Tem o exército mais numeroso de América Latina (500.000 homens) O 6.5% do PIB é para a guerra. Oficiais do Comando Sul do exército dos Estados Unidos conduzem no terreno as operações do Plano Patriota contra a Insurgência e o povo. Mais de 10 mil milhões de dólares tem investido a Casa Branca na execução do Plano Colômbia. Nessas circunstancias resulta absolutamente sofismático e contraditório aferrar-se à absurda subjetividade da inexistência do conflito. A origem das operações sujas de Uribe contra os países vizinhos é que seus presidentes têm-se negado a se envolver no conflito interno de Colômbia. Por isso introduz elementos que ameaçam a estabilidade da região como a peregrina tese da extraterritorialidade da política de segurança democrática, que é a nova denominação que Washington tem conferido a sua velha e nefasta Doutrina de Segurança Nacional.


Os sete punhais clavados no coração aos quais alude o Comandante Fidel Castro, podem ser mais se temos em conta que a base aérea de Três Esquinas (Sul de Colômbia) é, desde há algum tempo, outra base militar ianque encoberta, sediada nada menos que onde se inicia a Amazônia. A tecnologia militar de ponta do “monstro do norte” não somente alinha suas miras contra a inconformidade popular e a insurgência bolivariana; apontam também, com desejo irrefreável de espólio, à franja petroleira do Orinoco, à biodiversidade da Amazônia e ao aqüífero Guarani. Mas, em geral, suas miras estão enfocadas ao predomínio hemisférico do que considera com desprezo seu pátio traseiro.


Sem dúvida Uribe já está sentenciado e condenado pelos povos e pela historia por alta traição à pátria latinoamericana. Na historia futura ficará inscrito seu nome como um triste peão do colonizador. A instalação de bases militares móveis dos Estados Unidos no norte de Suramérica constitui a mais séria ameaça para a paz e a unidade do Continente, mas, é ao mesmo tempo, o reconhecimento da derrota do Plano Colômbia, premonição do epílogo futuro de seu novo empenho guerrerista contra nossa América.

O pré-fixo “narco” endilgado à guerrilha e agora a alguns Estados é um pretexto para a agressão, como foi no passado o comunismo. Têm revivido a McCarthy para demonizar as opções da sociedade, sempre presentes no anseio coletivo dos povos e, com o mesmo propósito utilizam o adjetivo “terrorista”. As FARC não são terroristas, mas revolucionarias. Em Colômbia, o chamado “terrorismo” tem uma historia recente e curiosa, até. Durante quase 40 anos, as FARC e o ELN foram considerados como guerrilhas “comunistas” e “castristas”, respectivamente. É evidente que esses qualificativos constituíam um reconhecimento real do caráter político de nossos movimentos porque estabelecemos conversações e diálogos com diversos governos.


Mas, chego o trágico 11 de setembro e, de repente, as guerrilhas colombianas sofreram uma kafkiana metamorfose. Da noite para o dia deixamos de ser “comunistas” e “castristas” e nos transformaram em “terroristas”.

Todos sabemos que o chamado “terrorismo” é uma arma política da ultra direita, uma categoria por fora do Direito Penal e um elemento essencial da ideologia do Imperialismo. O chamado “terrorismo” é uma noção política e ideológica introduzida pelo governo de Bush que serve para vilipendiar e para satanizar aqueles que não se submetem à política imperial, àquela de seus caines, ou de seus testa ferros. É por isso que só são qualificados de “terroristas” os que lutam contra o poder, mas jamais o serão aqueles que estão no poder.
Com essa lógica, todo movimento ou país que se oponha à dominação do Império é ou será qualificado mais adiante de “terrorista”.

Homenagem ao eterno líder Manuel Muralanda



As FARC apóiam totalmente as Bases de Paz que o governo de Venezuela tem conformado em seu território para opor-las às bases da agressão ianque em Colômbia. Gostaríamos de ver surgir essas Bases de Paz em todos os pontos cardinais do Hemisfério como símbolo de resistência e dignidade dos povos. Que inútil é a guerra de Obama e a de seu lacaio Uribe contra Nossa América, a de Bolívar, e nossos heróis nacionais, que a 200 anos do grito de Independência regressam com um exercito de povos a materializar seus sonhos. Necessitamos a paz de Colômbia porque é também a paz da região. Que ninguém aceite os pretextos inventados pelos guerreristas. A suposta intromissão de Venezuela e Equador nos assuntos internos de Colômbia, que tanto propalam suas campanhas midiáticas, são uma densa cortinha de fumaça para tampar a verdadeira e escancarada intromissão dos Estados Unidos, Inglaterra, Israel e Espanha no conflito colombiano.


Pedimos a UNASUL e aos países da ALBA incluir em sua agenda de trabalho a solução política do conflito colombiano como preocupação permanente dos Estados Latinoamericanos. Com Uribe imbuído no frenesi da guerra e encorajado com as bases norteamericanas, não haverá paz em Colômbia nem estabilidade na região. Caso não seja freado o guerrerismo –agora potenciado- se incrementará em proporção dantesca o drama humanitário de Colômbia. É hora de que Nossa América e o mundo voltem seus olhos para nosso país violentado desde o poder. Não se pode condenar eternamente a Colômbia a ser país dos “falsos positivos”, do assassinato de milhares de civis não combatentes pela Força Pública, das covas comuns, do despojo das terras, do deslocamento forçado de milhões de camponeses, das detenções massivas de cidadãos, da tirania e da impunidade dos victimarios amparados no Estado.



As FARC são de fato, Força Beligerante. Solicitamos a UNASUL e ao ALBA outorgar às FARC dito status como decisão encaminhada a facilitar a paz de Colômbia. Seria o inicio da marcha rumo à paz. O acordo de troca de prisioneiros de guerra em poder das duas partes enfrentadas é uma boa forma de pôr em marcha o processo. Tempos atrás liberamos, sem obter nenhuma reciprocidade do Estado, a mais de 300 prisioneiros capturados em combate. Desde há 4 meses oferecemos liberar unilateralmente dos militares prisioneiros de guerra, mas o governo não oferece as garantias para que a entrega seja possível. Estamos dispostos a retomar a Agenda de Paz de San Vicente del Caguán, a discutir com os porta-vozes do Estado o câmbio das injustas estruturas políticas, econômicas e sociais e o fim dos privilégios. Estamos prontos para assumir a discussão em torno à organização do Estado e da economia, e sobre os lineamentos que devem guiar o novo exército que haverá de surgir dos futuros acordos de paz.


Queremos reiterar antigas propostas das FARC para cortar-lhe as assas ao narcotráfico no mundo a aos pretextos dos impérios agressores:

1. Considerar em uma grande Assembléia de Nações a legalização do consumo das drogas, como no passado foi feito com o tabaco e o álcool. Nada será feito se o governo dos Estados Unidos não combate as poderosas máfias norteamericanas da distribuição e se não toma medidas encaminhadas a conter o grande fluxo de precursores químicos que saem de suas indústrias. Simultaneamente com essa determinação se deve realizar uma totalizadora campanha de educação à juventude contra o dano espiritual e social que causa o consumo da droga.

2. Sobre o pressuposto de que a narco - produção nos países pobres é um problema social, não erradicável mediante a repressão, retomamos a proposta do Comandante Manuel Marulanda Vélez apresentada na Audiência Pública Internacional sobre cultivos ilícitos e meio ambiente, realizada em San Vicente del Caguán: Desenvolver um plano de substituição dos mencionados cultivos, por outros de consumo alimentário, que sendo similarmente rentáveis, resultem atraentes para os camponeses pobres. Mas, é necessário acompanhar o esforço com um plano de desenvolvimento financeiro pelo Estado e a Comunidade Internacional, que leve educação, saúde, estradas, serviços públicos, possibilidades de mercado dos novos produtos, para os moradores dessas regiões remotas e esquecidas. Nem Colômbia, nem Estados Unidos têm interesse nisso porque o único que lhes importa é manter vivo o pretexto para a intervenção. Se a preocupação de Washington pelo narcotráfico fosse sincera, já haveria caído o governo de Uribe, vinculado desde tempos atrás às investigações por narcotráfico nos Estados Unidos e com o 30 por cento de congressistas de seu partido no cárcere por nexos com o narco-paramilitarismo. O Departamento de Estado sabe que Jorge Noguera, sendo diretor do DAS (Segurança do Estado), pessoalmente realizou contatos e abriu as rotas para o narcotráfico desde Colômbia a Centroamerica, passando por México e de aí aos estados Unidos, e, que o mesmo DAS se encarregou do ingresso dos dólares desde esse país ao aeroporto El Dorado de Bogotá, coisa que gerou o forte aplauso dos mafiosos e dos capos narco-paramilitares. Também, ativou uma rota desde Santa Marta a países africanos, e desde aí para Europa. No mundo da máfia o DAS é conhecido como “O cártel das três letras”. Estados Unidos maneja o tema do narcotráfico para pressionar com chantagem governantes dóceis como Uribe e utiliza-los como piões de seus projeções geopolíticas.


O ditador Uribe está atuando como o Caim de América. Aduze estar pedindo uma colaboração, mas uma coisa é a colaboração e outra o submissão, uma cosa é ser aliado e outra, ser lacaio. A última reunião de UNASUL deixou explícita a enorme solidão e o rechaço que seu governo desperta nas demais nações irmãs, devido a sua condição de aliado incondicional dos Estados Unidos e seu desleal papel em contra dos interesses que norteiam as esperanças de integração e unidade latinoamericana. Tomara que possamos com o concurso de todos impedir esse novo ultraje à dignidade e o decoro de nossos povos, mas se apesar de tudo, nos o impõem pela fora e se consuma a infâmia, lutaremos com dignidade e com abnegação, até nossa última gota de sangue para expulsar o invasor estrangeiro de nosso solo pátrio. A Pátria é América, e em essa luta, nos encontraremos todos, na certeza de que o que está em jogo é o futuro e a emancipação de nosso Continente. Seremos um conjunto de nações soberanas e independentes ou neocolonias.


Expressamos a UNASUR e aos países da ALBA nossa disposição de concorrer com uma delegação das FARC, se estimam pertinente, para que explique, em um encontro a definir, nossos pontos de vista sobre o conflito e nossas iniciativas para sua superação.

Por último, reiteramos-lhes a política internacional e de fronteiras das FARC, a qual não considera os exércitos dos países vizinhos como seus inimigos. O cenário de nossa confrontação política e militar é Colômbia. Todas as forças e os destacamentos militares dos países latinoamericanos podem ter a certeza de que as FARC nunca serão uma força de agressão contra eles. Aos governos, exércitos dos países vizinhos, e seus povos, lhes reiteramos nossa invariável irmandade. ..

Recebam nossa cordial saudação.


Compatriotas,

Secretariado do Estado Maior das FARC-EP

Montanhas de Colômbia, setembro de 2009.

Disponível em: http://anncol-brasil.blogspot.com/2009/09/carta-aberta-das-farc-para-unasul-e-os.html