OS FILMES ESTÃO LIBERADOS PARA SEREM ASSISTIDOS NO VK.COM - mas vc terá que se cadastrar na rede social russa - DIVIRTA-SE...

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Carta Aberta das FARC para a UNASUL e os Países da ALBA



Como organização política - militar amparada pelo Direito Universal que legitima a rebelião armada contra regimes opressores e tirânicos, nos dirigimos à União de Nações Suramericanas, UNASUL, e à Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América, ALBA, com a esperança de participar-lhes nossos pontos de vista em torno à tensão gerada pela instalação de bases militares estadunidenses em território colombiano.

Colômbia padece o mais cruento e prolongado conflito interno da historia de Nossa América, mas por razoes de uma perversa estratégia, o Presidente Uribe nega sua existência. O governo de Colômbia é o primeiro receptor de ajuda militar norteamericana no Hemisfério. Tem o exército mais numeroso de América Latina (500.000 homens) O 6.5% do PIB é para a guerra. Oficiais do Comando Sul do exército dos Estados Unidos conduzem no terreno as operações do Plano Patriota contra a Insurgência e o povo. Mais de 10 mil milhões de dólares tem investido a Casa Branca na execução do Plano Colômbia. Nessas circunstancias resulta absolutamente sofismático e contraditório aferrar-se à absurda subjetividade da inexistência do conflito. A origem das operações sujas de Uribe contra os países vizinhos é que seus presidentes têm-se negado a se envolver no conflito interno de Colômbia. Por isso introduz elementos que ameaçam a estabilidade da região como a peregrina tese da extraterritorialidade da política de segurança democrática, que é a nova denominação que Washington tem conferido a sua velha e nefasta Doutrina de Segurança Nacional.


Os sete punhais clavados no coração aos quais alude o Comandante Fidel Castro, podem ser mais se temos em conta que a base aérea de Três Esquinas (Sul de Colômbia) é, desde há algum tempo, outra base militar ianque encoberta, sediada nada menos que onde se inicia a Amazônia. A tecnologia militar de ponta do “monstro do norte” não somente alinha suas miras contra a inconformidade popular e a insurgência bolivariana; apontam também, com desejo irrefreável de espólio, à franja petroleira do Orinoco, à biodiversidade da Amazônia e ao aqüífero Guarani. Mas, em geral, suas miras estão enfocadas ao predomínio hemisférico do que considera com desprezo seu pátio traseiro.


Sem dúvida Uribe já está sentenciado e condenado pelos povos e pela historia por alta traição à pátria latinoamericana. Na historia futura ficará inscrito seu nome como um triste peão do colonizador. A instalação de bases militares móveis dos Estados Unidos no norte de Suramérica constitui a mais séria ameaça para a paz e a unidade do Continente, mas, é ao mesmo tempo, o reconhecimento da derrota do Plano Colômbia, premonição do epílogo futuro de seu novo empenho guerrerista contra nossa América.

O pré-fixo “narco” endilgado à guerrilha e agora a alguns Estados é um pretexto para a agressão, como foi no passado o comunismo. Têm revivido a McCarthy para demonizar as opções da sociedade, sempre presentes no anseio coletivo dos povos e, com o mesmo propósito utilizam o adjetivo “terrorista”. As FARC não são terroristas, mas revolucionarias. Em Colômbia, o chamado “terrorismo” tem uma historia recente e curiosa, até. Durante quase 40 anos, as FARC e o ELN foram considerados como guerrilhas “comunistas” e “castristas”, respectivamente. É evidente que esses qualificativos constituíam um reconhecimento real do caráter político de nossos movimentos porque estabelecemos conversações e diálogos com diversos governos.


Mas, chego o trágico 11 de setembro e, de repente, as guerrilhas colombianas sofreram uma kafkiana metamorfose. Da noite para o dia deixamos de ser “comunistas” e “castristas” e nos transformaram em “terroristas”.

Todos sabemos que o chamado “terrorismo” é uma arma política da ultra direita, uma categoria por fora do Direito Penal e um elemento essencial da ideologia do Imperialismo. O chamado “terrorismo” é uma noção política e ideológica introduzida pelo governo de Bush que serve para vilipendiar e para satanizar aqueles que não se submetem à política imperial, àquela de seus caines, ou de seus testa ferros. É por isso que só são qualificados de “terroristas” os que lutam contra o poder, mas jamais o serão aqueles que estão no poder.
Com essa lógica, todo movimento ou país que se oponha à dominação do Império é ou será qualificado mais adiante de “terrorista”.

Homenagem ao eterno líder Manuel Muralanda



As FARC apóiam totalmente as Bases de Paz que o governo de Venezuela tem conformado em seu território para opor-las às bases da agressão ianque em Colômbia. Gostaríamos de ver surgir essas Bases de Paz em todos os pontos cardinais do Hemisfério como símbolo de resistência e dignidade dos povos. Que inútil é a guerra de Obama e a de seu lacaio Uribe contra Nossa América, a de Bolívar, e nossos heróis nacionais, que a 200 anos do grito de Independência regressam com um exercito de povos a materializar seus sonhos. Necessitamos a paz de Colômbia porque é também a paz da região. Que ninguém aceite os pretextos inventados pelos guerreristas. A suposta intromissão de Venezuela e Equador nos assuntos internos de Colômbia, que tanto propalam suas campanhas midiáticas, são uma densa cortinha de fumaça para tampar a verdadeira e escancarada intromissão dos Estados Unidos, Inglaterra, Israel e Espanha no conflito colombiano.


Pedimos a UNASUL e aos países da ALBA incluir em sua agenda de trabalho a solução política do conflito colombiano como preocupação permanente dos Estados Latinoamericanos. Com Uribe imbuído no frenesi da guerra e encorajado com as bases norteamericanas, não haverá paz em Colômbia nem estabilidade na região. Caso não seja freado o guerrerismo –agora potenciado- se incrementará em proporção dantesca o drama humanitário de Colômbia. É hora de que Nossa América e o mundo voltem seus olhos para nosso país violentado desde o poder. Não se pode condenar eternamente a Colômbia a ser país dos “falsos positivos”, do assassinato de milhares de civis não combatentes pela Força Pública, das covas comuns, do despojo das terras, do deslocamento forçado de milhões de camponeses, das detenções massivas de cidadãos, da tirania e da impunidade dos victimarios amparados no Estado.



As FARC são de fato, Força Beligerante. Solicitamos a UNASUL e ao ALBA outorgar às FARC dito status como decisão encaminhada a facilitar a paz de Colômbia. Seria o inicio da marcha rumo à paz. O acordo de troca de prisioneiros de guerra em poder das duas partes enfrentadas é uma boa forma de pôr em marcha o processo. Tempos atrás liberamos, sem obter nenhuma reciprocidade do Estado, a mais de 300 prisioneiros capturados em combate. Desde há 4 meses oferecemos liberar unilateralmente dos militares prisioneiros de guerra, mas o governo não oferece as garantias para que a entrega seja possível. Estamos dispostos a retomar a Agenda de Paz de San Vicente del Caguán, a discutir com os porta-vozes do Estado o câmbio das injustas estruturas políticas, econômicas e sociais e o fim dos privilégios. Estamos prontos para assumir a discussão em torno à organização do Estado e da economia, e sobre os lineamentos que devem guiar o novo exército que haverá de surgir dos futuros acordos de paz.


Queremos reiterar antigas propostas das FARC para cortar-lhe as assas ao narcotráfico no mundo a aos pretextos dos impérios agressores:

1. Considerar em uma grande Assembléia de Nações a legalização do consumo das drogas, como no passado foi feito com o tabaco e o álcool. Nada será feito se o governo dos Estados Unidos não combate as poderosas máfias norteamericanas da distribuição e se não toma medidas encaminhadas a conter o grande fluxo de precursores químicos que saem de suas indústrias. Simultaneamente com essa determinação se deve realizar uma totalizadora campanha de educação à juventude contra o dano espiritual e social que causa o consumo da droga.

2. Sobre o pressuposto de que a narco - produção nos países pobres é um problema social, não erradicável mediante a repressão, retomamos a proposta do Comandante Manuel Marulanda Vélez apresentada na Audiência Pública Internacional sobre cultivos ilícitos e meio ambiente, realizada em San Vicente del Caguán: Desenvolver um plano de substituição dos mencionados cultivos, por outros de consumo alimentário, que sendo similarmente rentáveis, resultem atraentes para os camponeses pobres. Mas, é necessário acompanhar o esforço com um plano de desenvolvimento financeiro pelo Estado e a Comunidade Internacional, que leve educação, saúde, estradas, serviços públicos, possibilidades de mercado dos novos produtos, para os moradores dessas regiões remotas e esquecidas. Nem Colômbia, nem Estados Unidos têm interesse nisso porque o único que lhes importa é manter vivo o pretexto para a intervenção. Se a preocupação de Washington pelo narcotráfico fosse sincera, já haveria caído o governo de Uribe, vinculado desde tempos atrás às investigações por narcotráfico nos Estados Unidos e com o 30 por cento de congressistas de seu partido no cárcere por nexos com o narco-paramilitarismo. O Departamento de Estado sabe que Jorge Noguera, sendo diretor do DAS (Segurança do Estado), pessoalmente realizou contatos e abriu as rotas para o narcotráfico desde Colômbia a Centroamerica, passando por México e de aí aos estados Unidos, e, que o mesmo DAS se encarregou do ingresso dos dólares desde esse país ao aeroporto El Dorado de Bogotá, coisa que gerou o forte aplauso dos mafiosos e dos capos narco-paramilitares. Também, ativou uma rota desde Santa Marta a países africanos, e desde aí para Europa. No mundo da máfia o DAS é conhecido como “O cártel das três letras”. Estados Unidos maneja o tema do narcotráfico para pressionar com chantagem governantes dóceis como Uribe e utiliza-los como piões de seus projeções geopolíticas.


O ditador Uribe está atuando como o Caim de América. Aduze estar pedindo uma colaboração, mas uma coisa é a colaboração e outra o submissão, uma cosa é ser aliado e outra, ser lacaio. A última reunião de UNASUL deixou explícita a enorme solidão e o rechaço que seu governo desperta nas demais nações irmãs, devido a sua condição de aliado incondicional dos Estados Unidos e seu desleal papel em contra dos interesses que norteiam as esperanças de integração e unidade latinoamericana. Tomara que possamos com o concurso de todos impedir esse novo ultraje à dignidade e o decoro de nossos povos, mas se apesar de tudo, nos o impõem pela fora e se consuma a infâmia, lutaremos com dignidade e com abnegação, até nossa última gota de sangue para expulsar o invasor estrangeiro de nosso solo pátrio. A Pátria é América, e em essa luta, nos encontraremos todos, na certeza de que o que está em jogo é o futuro e a emancipação de nosso Continente. Seremos um conjunto de nações soberanas e independentes ou neocolonias.


Expressamos a UNASUR e aos países da ALBA nossa disposição de concorrer com uma delegação das FARC, se estimam pertinente, para que explique, em um encontro a definir, nossos pontos de vista sobre o conflito e nossas iniciativas para sua superação.

Por último, reiteramos-lhes a política internacional e de fronteiras das FARC, a qual não considera os exércitos dos países vizinhos como seus inimigos. O cenário de nossa confrontação política e militar é Colômbia. Todas as forças e os destacamentos militares dos países latinoamericanos podem ter a certeza de que as FARC nunca serão uma força de agressão contra eles. Aos governos, exércitos dos países vizinhos, e seus povos, lhes reiteramos nossa invariável irmandade. ..

Recebam nossa cordial saudação.


Compatriotas,

Secretariado do Estado Maior das FARC-EP

Montanhas de Colômbia, setembro de 2009.

Disponível em: http://anncol-brasil.blogspot.com/2009/09/carta-aberta-das-farc-para-unasul-e-os.html