OS FILMES ESTÃO LIBERADOS PARA SEREM ASSISTIDOS NO VK.COM - mas vc terá que se cadastrar na rede social russa - DIVIRTA-SE...

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

28.01 - Dia Nacional de Lutas por Emprego e Direitos: Derrotar os covardes ataques da gerência neoliberal do PT através da ação direta dos trabalhadores! Nenhum ilusão na política de “remedar” o ajuste fiscal no parlamento burguês! Preparar a greve geral contra a perda dos nossos direitos!


Por Liga Bolchevique Internacionalista

Neste dia 28 de janeiro ocorrem em diversas capitais do país o chamado “Dia Nacional de Lutas por Emprego e Direitos” convocado pela CUT e outras centrais sindicais. Essa mobilização foi decidida após o governo Dilma editar as Medidas Provisórias 664 e 665, um pacote de ataques aos benefícios do INSS e de restrição ao seguro-desemprego. Em um primeiro momento, o Planalto se reuniu com a CUT para acertar seu apoio as medidas draconianas porém o nível da investida sobre os direitos dos trabalhadores foi tamanho pelas mãos de Joaquim Levy que forçou a direção das centrais a convocar a atividade a fim de exigir “ajustes” na MP e descomprimir a “puteza” de suas bases. Desde a LBI alertamos que o verdadeiro objetivo das manifestações deste 28 não é de fato o sepultamento das MP´s por meio da ação direta dos trabalhadores com greves e paralisações mas sim conseguir algumas mudanças cosméticas pela via de alterações a serem feitas no Congresso Nacional, que as analisará no começo de fevereiro. Tanto é que na “Nota unificada das Centrais Sindicais: Em defesa dos direitos e do emprego” (14.01) elas proclamam “De forma unânime as Centrais Sindicais reivindicam a revogação/retirada dessas MPs, de modo a que se abra uma verdadeira discussão sobre a correção de distorções e eventuais fraudes, discussão para a qual as Centrais sempre estiveram abertas”. Apesar do caráter evidentemente limitado do protesto, os setores classistas devem intervir ativamente nesta mobilização que se proclama formalmente contra a atual ofensiva do governo Dilma a fim de impulsionar a ação direta das massas e nunca para pressionar o parlamento burguês para “atenuar” o ajuste fiscal e monetário em pleno curso, como defende a CUT. Os sindicatos combativos e os ativistas da vanguarda classista devem aproveitar o dia 28 para desencadear a resistência operária e popular contra as demissões em curso e aos ataques aos direitos e conquistas pelo governo Dilma, apontando a necessidade urgente de assembleias de base em todas as categorias para organizar uma verdadeira paralisação nacional que busque neste início de ano dar uma resposta da classe operária e do conjunto dos explorados as investidas que estão sendo desferidos pela burguesia e seu governo contra os trabalhadores da cidade e do campo! Só desta forma poderemos romper com a paralisia que as direções “chapa branca”, em seu pacto social implícito com o governo da Frente Popular e os capitalistas, submetem a luta dos trabalhadores em nosso país! Neste sentido, também nos opomos ao programa da “Frente pelas Reformas Populares” deliberado na reunião do último 19.01 entre o MTST, CUT, MST, UJS, Intersindical e PSOL na medida que propõe “Lutar pelas Reformas Populares e Enfrentar as pautas da direita na sociedade, no Congresso, no Judiciário e nos Governos” sem apontar que hoje é o governo Dilma que aplica esta política, visando assim preservar a “gerentona” petista, que foi apoiada no segundo turno das eleições presidenciais pelo grosso destas entidades. A proposta de organizar uma Frente de Esquerda para intervir nas lutas é importante, desde que seja para combater nas ruas a ofensiva imperialista e suas gerências tupiniquins, que no Brasil tem o PT como principal representante no governo federal. Como Marxistas Revolucionários chamamos particularmente o MTST, MST e centrais sindicais da esquerda para em unidade de ação utilizar esse dia 28 com o objetivo de preparar uma verdadeira jornada nacional de luta direta contra as “reformas” neoliberais do governo Dilma sem depositar nenhum ilusão na pressão sobre o parlamento e as instituições corruptas desta República dos barões capitalistas! A ofensiva imperialista gerenciada por Dilma não dá sinal de nenhuma “trégua”, seu “homem dos rentistas”, o ministro Levy, afirmou para seus colegas banqueiros em Davos que pretende acabar com o seguro desemprego. Somente uma resposta política enérgica do movimento de massas poderá derrotar os planos de ajuste do capital financeiro, é necessário começar a debater e organizar uma verdadeira greve geral contra a perda dos nossos direitos!