OS FILMES ESTÃO LIBERADOS PARA SEREM ASSISTIDOS NO VK.COM - mas vc terá que se cadastrar na rede social russa - DIVIRTA-SE...

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

PCdoB abre as portas do partido para a oligarquia Gomes, “novos tempos” onde até os “coronéis” da política burguesa podem virar “comunistas”


Por Liga Bolchevique Internacionalista

A direção nacional do PCdoB decidiu entrar no leilão (às avessas) pela disputa política do ingresso no partido da ultrarreacionária oligarquia Ferreira Gomes, recém-rompida com o PSB, comandado pelo neto do falecido Miguel Arraes. 

Os Ferreira Gomes tem origem política na velha Arena, onde controlavam a prefeitura da cidade de Sobral, interior do Ceará. 

O patriarca do clã, Euclides, orientou desde cedo o filho mais velho (Ciro Gomes) a ingressar na juventude da Arena, partido da ditadura militar, chegando a disputar a presidência da UNE em 1980 na chapa da extrema-direita. 

Depois da morte do pai, o então deputado estadual Ciro deixa os quadros do PDS na campanha das diretas já e filia-se ao PMDB, em conjunto com o grupo liderado pelo empresário Tasso Jereissati.

 O grupo dos chamados “novos coronéis” (em referencia aos três coronéis que dominaram o estado por mais de 20 anos: Virgílio, César e Adauto) logo domina a política estadual elegendo o governador e prefeito da capital cearense. 

Saindo do PMDB em 1989 Ciro se converte em um dos fundadores do PSDB, conquistando o posto de ministro da Fazenda no governo Itamar Franco, é exatamente neste momento que começam suas ambições nacionais. 

Em 1998 o ex-ministro deixa o PSDB e ingressa no PPS para disputar as eleições presidenciais daquele ano. Com a eleição de Lula em 2002 os Ferreira Gomes decidem se aproximar da Frente Popular, por razões obvias, buscando um abrigo confortável no PSB de Eduardo Campos (Ciro volta a ser ministro desta vez da Integração Nacional). 

Com a família inteira em postos estatais, os três irmãos Gomes (Ciro, Cid e Ivo) representam hoje o que existe de mais retrógrado e fisiológico na política burguesa nacional, rompem com o PSB justamente para ampliar sua fatia de apropriação do botim estatal, sob a desculpa de “apoiar a reeleição da presidenta Dilma”, a mesma que há pouco qualificavam de “ex-terrorista incompetente”. 

Os Ferreira Gomes agora buscam comprar por inteiro uma nova legenda nacional vazia, para acomodar os parlamentares e o governador Cid (provavelmente o recém-fundado PROS), receosos de que o PSB exija a restituição dos cargos eletivos, ao mesmo tempo que acenam com a filiação de Ciro e o irmão mais novo Ivo (ambos sem mandato parlamentar) a um partido com algum perfil ideológico. 

Não para nossa surpresa, os ex-stalinistas do PCdoB resolveram oferecer o partido para o ingresso da corrupta oligarquia Gomes, ou pelo menos para alguns de seus membros, revelando desta forma que o falso “Marxismo-Leninismo” defendido formalmente pelos herdeiros de João Amazonas não passa de um programa social democrata, totalmente adaptado ao regime da democracia dos ricos.


Não é a primeira vez que a direção do PCdoB abre as portas do partido para “renomadas” figuras da política burguesa, como foi o caso da filiação do senador Leomar Quintanilha, grande latifundiário do estado de Tocantins e ex-membro da UDR.

 Logo depois da queda do Muro de Berlim e da dissolução do Estado operário albanês no começo da década de 90, os stalinistas do PCdoB perderam completamente sua linha programática, elaborada pelo ex-maoista Enver Hoxha secretário geral do PTA. 

Para sobreviver em meio a crise da esquerda stalinista mundial, João Amazonas conduziu uma conversão ideológica do partido em direção à social democracia, passando o PCdoB a defender pontos que antes combatia ferozmente, como a aliança política com o PT e a entrada na CUT. 

Também na arena internacional houve profundas mudanças, como a defesa que o PCdoB estabeleceu em seu congresso acerca do Estado operário cubano, no sentido da apologia das “reformas de mercado”, anteriormente criticada como um prolongamento da “Glasnost” e “Perestroika” soviética.

Apesar da “boa vontade” dos dirigentes do PCdoB, os Ferreira Gomes não devem aceitar o convite para ingressar no partido , não porque tenham “medo” de serem classificados como “comunistas”, já passaram até pelo PPS ex-partidão. 

Os Gomes sabem muito bem que de “comunista” o PCdoB não tem o menor resquício, afinal os ex-stalinistas participam dos governos oligárquicos de todo país, como os Sarney no Maranhão e Campos em Pernambuco, além do próprio Ceará. 

Mas neste momento o mais apropriado para as futuras aspirações nacionais de Ciro (sonha em ser presidente da república) é dividir seu clã entre o PROS e uma pequena parte migrar para o PDT, onde já “infiltrou” inclusive sua ex-esposa a deputada estadual Patrícia Gomes. 

É justamente no interior do PDT que se encontra hoje o mais ácido inimigo regional da oligarquia Gomes, o deputado Heitor Ferrer, desmoralizá-lo no próprio partido é uma “missão” prioritária para o clã.

Com uma reeleição praticamente já assegurada, as recentes pesquisas confirmaram nosso prognostico político, a presidente Dilma deverá ampliar a participação dos Ferreira Gomes em seu governo, onde já detém a secretaria especial dos Portos, com status de ministério. 

O PCdoB que cedeu a pasta estadual de saúde para ser ocupada por Ciro Gomes, espera receber em troca o apoio da oligarquia para apoiar a reeleição do senador Inácio Arruda. 

O quadro estadual da sucessão do governo estadual do Ceará ainda não está totalmente definido, mas já se tem pelo menos uma certeza, PT e PCdoB estão devidamente “comprados” para a campanha eleitoral dos Ferreira Gomes, independente do nome indicado pela reacionária oligarquia para ocupar o Palácio da Abolição. 

Com “socialistas” (PT) e “comunistas” (PCdoB) como estes na direção do movimento operário, o proletariado está condenado a sofrer as piores derrotas históricas! 

É necessário que a vanguarda classista abstraia as duras lições da luta de classes, para iniciar um processo de reorganização política da classe em direção a construção de um autêntico partido operário revolucionário.