OS FILMES ESTÃO LIBERADOS PARA SEREM ASSISTIDOS NO VK.COM - mas vc terá que se cadastrar na rede social russa - DIVIRTA-SE...

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Obama prepara intervenção da OTAN na Síria, enquanto o PSTU avaliza a farsa terrorista montada pela oposição pró-imperialista!




Por Liga Bolchevique Internacionalista

O governo do chacal Obama organiza pacientemente a intervenção militar da OTAN na Síria, colocando seus dois “cães de guerra”, Cameron e Hollande, como vanguarda na defesa de uma imediata invasão ao país governado há mais de 40 anos pela oligarquia nacionalista da família Assad.

Como já havíamos denunciado em artigo anterior (http://lbi-qi.blogspot.com.br/2013/08/siria-um-massacre-sobencomenda-do.html), a oposição pró-imperialista montou, com a ajuda direta do reacionário governo Turco, uma operação terrorista de grandes proporções contra a população civil dos subúrbios de Damasco.

Armas químicas letais fabricadas pelos EUA (ver foto abaixo) foram utilizadas por grupos ligados a Al Qaeda no sentido de incriminar o regime Assad pela morte de crianças e mulheres, um total de 1400 vítimas fatais.

Não por coincidência, alguns dias antes dos covardes atentados terroristas desembarcava em Damasco uma equipe de inspetores da ONU com a “missão” de inspecionar a utilização de armas químicas na guerra civil síria.

Com o anúncio do massacre, a mídia “murdochiana” internacional desatou uma infame campanha contra Assad, exigindo que a ONU tomasse imediatamente uma posição pela intervenção militar.

O governo sírio atendeu de imediato o pedido feito pelo Secretário Geral Ban Ki-Moon para que uma nova delegação de inspetores da ONU fosse autorizada a vasculhar a periferia de Damasco em busca de provas sobre a autoria dos atentados, um pequeno “detalhe” é que esta “comissão independente” é chefiada pelo sueco Ake Sellstrom, o mesmo líder do seleto grupo de inspetores de armas químicas da ONU no Iraque...

Os militares leais a Assad vinham impondo uma série de derrotas aos “rebeldes” pró-OTAN, que em vias de baterem definitivamente em uma vergonhosa retirada, montaram uma covarde operação fraudulenta para chamar pelo socorro das tropas imperialistas.

Também é bastante interessante para os regimes facínoras da Turquia e Egito, agora alinhados pelos EUA, saírem dos holofotes mundiais e descarregarem a pecha de “ditadura sanguinária” na conta do governo Assad.

 Mas o que parece evidente e óbvio para qualquer militante anti-imperialista, minimamente lúcido, representa o oposto para os canalhas revisionistas do PSTU, que chancelaram integralmente sem a menor observação crítica toda versão mentirosa montada pela OTAN para justificar uma nova intervenção militar na região.

Não satisfeitos com sua conduta criminosa na Líbia, os Morenistas agora fazem coro com a Casa Branca e seus lacaios franceses para afirmarem: “Na madrugada desta terça para quarta, a ditadura de Bashar Al Assad desferiu um brutal ataque com armas químicas na periferia de Damasco, matando centenas de pessoas, entre mulheres, idosos e, sobretudo, crianças, na região de Ghouta, subúrbio da capital.

Este pode ter sido o ataque mais letal lançado por Assad contra a população civil. As imagens das vítimas fatais e do desespero do povo sírio frente ao ataque do governo estão provocando indignação em todo o mundo e revelam a verdadeira face dessa ditadura genocida.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, o governo sírio lançou o armamento químico através de foguetes, atingindo as cidades de Ain Tarma, Zamalka e Jobar, região sob domínio do Exército Livre da Síria (ELS)” (Sítio do PSTU, 21/08/2013).

 O cretinismo desta organização corrupta, que enlameia o Trotsquismo, é tão grande que sequer se envergonham das “fontes” que utilizam para assacar as acusações contra o governo Assad, o tal “Observatório Sírio de Direitos Humanos” é um organismo sediado em Londres, sob os auspícios financeiros do Governo Britânico. Já o “ELS” não esconde de ninguém que não passa de uma colateral militar da OTAN, recebendo armamento (inclusive químico) diretamente do Pentágono.

Para quem tem as mãos sujas do sangue do povo egípcio, a LIT caracterizou como “progressivo” o recente golpe militar, não deve ser muito difícil juntar-se a Obama, Cameron e ao rato Hollande para “exigir” a renúncia de Assad e a transferência do poder para os assassinos “rebeldes”, afinal seria uma repetição do que ocorreu na Líbia onde a tal “revolução” da OTAN dilacerou o país entregando todos os seus recursos naturais para as transnacionais do petróleo!





 A torpe acusação de genocídio feita contra Assad é tão inverossímil que somente agentes do imperialismo poderiam reproduzi-la como papagaios da OTAN, os “rebeldes” há bastante tempo já foram expulsos dos subúrbios de Damasco, concentrando suas parcas forças em cidades ao leste da capital.

Porque o governo sírio iria atacar justamente uma área sob seu controle (matando crianças que não combatem na guerra civil) no mesmo período em que a ONU estava no país para tentar selar uma rendição minimamente “honrosa” para os “rebeldes”?

Por outro lado, a pesada campanha midiática contra Assad, “eleito” como inimigo central do império, serve aos objetivos dos EUA que busca recompor a unidade burguesa árabe rompida com o golpe militar desferido contra a Irmandade Muçulmana.

Com o rótulo do ditador mais sanguinário do planeta, capaz de trucidar de uma única vez mil crianças, os EUA se esforça inclusive para neutralizar o novo governo “reformista” do Irã na defesa do antigo aliado Assad, posto que o “radicalismo” de Ahmadinejad teria ficado isolado após sua derrota eleitoral.

O Pentágono ainda não deu o sinal verde para a ação contra a Síria, justamente porque não conseguiu conformar um comando militar único e confiável que dê o suporte necessário para a intervenção da OTAN.

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas Ianques general Martin Dempsey, declarou publicamente na terça-feira passada que a administração Obama opunha-se mesmo a uma intervenção imediata na Síria porque: “Acredito que os rebeldes combatendo o regime Assad não apoiariam interesses americanos se tomassem o poder agora”.

De fato, a disputa pelo controle político no interior da oposição pró-imperialista ao regime sírio tem se acirrado bastante, entre grupos islâmicos ligados a Irmandade Muçulmana e a Al Qaeda, “correndo por fora” ainda estão as forças ligadas aos sauditas e fundamentalistas do Qatar.

A este amálgama contra-revolucionário até a medula os canalhas revisionistas costumam classificar como “heróicos rebeldes” que estariam lutando contra uma “ditadura assassina”... enquanto silenciam os bombardeios aéreos do gendarme sionista de Israel contra o território libanês e as bases do Hezbollah, talvez porque esta organização anti-imperialista seja aliada de Assad.

Os abutres imperialistas estão nervosos e impacientes por um rápido desfecho na Síria, temem perder o “time”, obtido graças à farsa terrorista montada pelos “rebeldes”.

Mas o “pirata-mor”, protegido em Washington, aguarda ainda um aval da Rússia e China para iniciar o serviço sujo, ao contrário da Líbia não há reservas de petróleo para se comprometer com a repartição do botim.

O regime Assad prometeu “incendiar” a região caso a OTAN intervenha, as milícias do Hezbollah já estão prontas para atacar Israel e convocar a “guerra santa” contra os genocidas de Sion.

 O Hamas, que até então apoiou os “rebeldes” sírios, ficaria em uma situação muito difícil diante de uma guerra generalizada na região, cujos inimigos seriam os EUA e seu “porta-aviões” sionista.

Como marxistas revolucionários declaramos sem a menor hesitação que a nossa trincheira de combate contra a OTAN é a nação Síria, incluindo a conformação de uma frente única militar com o regime nacionalista burguês de Assad.

Como nos ensinou Lenin, o pior inimigo dos povos é sempre o imperialismo, o militante ou organização política que não abstraiu esta lição básica do marxismo não merece sequer ser chamado de esquerda!