OS FILMES ESTÃO LIBERADOS PARA SEREM ASSISTIDOS NO VK.COM - mas vc terá que se cadastrar na rede social russa - DIVIRTA-SE...

domingo, 10 de novembro de 2013

Fazendeiros do MS organizam milícia criminosa para matarem índios Guarani-Kaiowá!



Segundo o Correio do Estado (MS) organizar e preparar para a guerra declarada sua milícia armada, este é o objetivo dos fazendeiros de confusão que se reuniram
 na Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul)




Os poderosos do campo e das contas bancárias invadiram as áreas indígenas históricas, destruíram a natureza e estão caçando e matando os índios como se animais fossem.



Não obstante, a corja de invasores “cara pálida” está armada até os dentes, e ameaça as autoridades de que expulsarão os índios a bala caso o governo federal não cumpra com sua promessa de lesa cofres (pagamento das terras que são indígenas para aqueles que as invadiram), e dizem: Estamos de saco cheio (de munição) e prontos para o combate...




O foco “principal” da milícia criminosa dos ”Jaguaras” fazendeiros de confusão é o de ampliar o agronegócio "nefasto" ao meio ambiente e as etnias originárias do Brasil...

O olhar 
“xenófobo” do governo  de Dilma "essência búlgara" Rousseff não lhe permite enxergar as etnias indígenas como prioridade na demarcação de terras.




Enfim, caberá aos índios ocuparem aquilo que historicamente lhes pertencem, mesmo sem a anuência do governo xenófobo e burguês de Dilma "essência búlgara"  Rousseff...


Segundo os Xamãs, o antídoto é extraído do próprio veneno...




Em ralação ao prazo dado pelos fazendeiros (22/11), vale lembrar que as terras sempre foram "nossas" e os únicos invasores sãos os netos, os bisnetos e tataranetos dos portugueses, holandeses, alemães, "búlgaros Rousseffes", franceses, italianos, ongueiros carreiristas, e os padrecos e as madrecas bio-piratas da "Teologia da mentira" que estão ali fazendo politicagem a serviço da "eternização" de suas instituições e dogmas perversos...  


Na verdade as áreas em questão tem de serem expropriadas e os "fazendeiros de confusão" receberem um lote popular de 5X12 m² na periferia de São Paulo para provarem do veneno que distilam as vidas alheias... Criar um tribunal popular seria um "santo" remédio para os invasores das terras indígenas...




Então, os "jaguaras" estão ameaçando os índios... 


Bem que nos dá vontade (eu e a torcida do flamengo) de ensinar aos índios aquilo que sempre soubemos fazer, ou seja, armadilhas de estacas"Punji" ao estilo vietnamita... Teto baiano, muro malaio, fura cara, quebra canela entre outras mais sofisticadas com o uso de armas e pólvoras. 



Imagine índios jogando flechas metálicas estilo bestas etc. Viver em condições excepcionais os índios sabem, então... 



Ah, mas os covardes ou os deixa disso (somente se os fazendeiros e os jagunços estiverem levando na tarraqueta), irão dizer: Guerra não! Violência não! 



Então táh doutor, antes que o caldo entorne vai lá ao curral dos jaguaras e os desarme. 



Afinal, em algum momento a situação vai virar negativa para os fazendeiros, acredite se quiser... Já chega de ver índio assassinado covardemente e ninguém fazer nada. Só irão levantar a crista quando rolar cabeças de cara-pálida... 



Ou então outros dirão: O cara ali está maluco e blefando, não sabe o que diz... 



Ora, o que está acontecendo nas áreas indígenas históricas é exatamente isso... 



O agronegócio está avançando como em guerra de guerrilhas... 



Cacique guarani kaiowá Nizio Gomes assassinado em 18 de novembro de 2011


Vai eliminando algumas lideranças no tempo da história e ocupando os espaços deixados a descoberto (índios aterrorizados e em fuga pelas estradas). 



Os fazendeiros vão erguendo fazendas, transportando o gado de um lado para o outro e desmatando criminosamente a região para inviabilizar a permanência do índio em terra arrasada, e cada fazenda erguida torna-se um posto avançado na linguagem militar... 



Na verdade a guerra já está estabelecida e, só não vê quem não quer!



Mas, isso ai tem de ter um final...



Muito mais do que uma questão jurídica de fato,  as demarcações das áreas indígenas não ocorrem no Brasil por uma questão de ordem moral e ética chamada de "xenofobia", que está incrustada no pensamento político e ideológico dos governantes...